Após balanços fracos, bolsa de Tóquio fecha em queda

O iene levemente mais forte, especialmente diante do euro em razão de renovadas preocupações com a zona do euro, ajudou a puxar as vendas

Tóquio – A Bolsa de Tóquio fechou em queda, encerrando uma semana volátil depois que balanços desanimadores da Sony, da Suzuki Motor e de outras empresas reduziram a confiança dos investidores e provocaram realização de lucros pelo segundo dia seguido.

O índice Nikkei caiu 203,91 pontos, ou 1,8%, para 11.153,16 pontos, e na semana acumulou perda de 0,3%, dando fim a uma sequência de 13 semanas de alta. No ano até agora, porém, o índice tem avanço de 7,3%.

No começo da sessão a bolsa operou em baixa e depois permaneceu perto da estabilidade durante quase todo o tempo, com o ritmo das vendas se acelerando no período da tarde em Tóquio à medida que os investidores corriam para fechar posições antes de um feriado de três dias.

O iene levemente mais forte, especialmente diante do euro em razão de renovadas preocupações com a zona do euro, ajudou a puxar as vendas.

Várias empresas exportadoras sensíveis ao iene caíram, incluindo Canon, que fechou em baixa de 2,3%. Sony e Suzuki perderam 10,0% e 5,4%, respectivamente, após anunciarem resultados trimestrais fracos, na quinta-feira (07).


Sony teve prejuízo líquido de 10,8 bilhões de ienes nos três últimos meses de 2012, o terceiro trimestre fiscal da empresa, contrariando a previsão dos economistas de lucro de mais de 20 bilhões de ienes.

Suzuki, por sua vez, teve lucro operacional consolidado de 26,7 bilhões de ienes no mesmo período, também menos do que a estimativa de 30,1 bilhões de ienes.

Na ponta positiva, Mitsumi Electric, que é uma fornecedora de componentes para a Apple, fechou com alta de 11%, após informar um lucro operacional trimestral de 2,9 bilhões de ienes, bem acima do esperado. Yamada Denki, que divulgou resultados trimestrais em linha com as projeções, subiu 5,8%.

A Japan Airlines atingiu uma máxima desde a listagem na bolsa antes de fechar com ganho de 4,8%, impulsionada pelas compras iniciadas no começo da semana, quando a empresa elevou sua previsão de lucros para o ano fiscal de 2012. As informações são da Dow Jones.