Apetite por risco perde força e bolsas caem

São Paulo – O apetite por risco nos mercados internacionais se esvaía nesta quarta-feira, com queda de bolsas de valores, commodities e do euro, em meio à incerteza antes da cúpula de líderes da União Europeia (UE).

O otimismo diminuiu após uma fonte do governo da Alemanha afirmar que não tem certeza se o encontro da UE, que termina na sexta-feira, vai chegar a uma conclusão sobre o uso do Fundo Monetário Internacional (FMI) para responder à crise de dívida da zona do euro. A piora contaminou o mercado brasileiro, especialmente as ações, com baixa de mais de 1 por cento do Ibovespa, que continuava abaixo de 60 mil pontos. No mercado de câmbio, o dólar operava praticamente estável ante o real.

As bolsas também operavam no terreno negativo nos Estados Unidos. Na Europa, o índice FTSEurofirst 300, referência para os mercados de ações do continente, caía 0,3 por cento.

“Provavelmente vamos continuar a ver volatilidade até que possamos ter acesso ao plano (europeu contra a crise), e se ele decepcionar, então podemos cair 2 ou 3 por cento”, disse o gestor de portfólio do TEAM Asset Strategy Fund, James Dailey, em referência ao mercado de ações nos Estados Unidos.

Em busca de um consenso, a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, se encontrarão antes de um jantar de líderes do bloco, segundo um diplomata da UE.

Na agenda de indicadores brasileira, a inflação medida pelo Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) foi de 0,43 por cento em novembro, ante 0,40 por cento em outubro, informou a Fundação Getúlio Vargas. Além disso, a inflação no atacado medida pelo Índice de Preços ao Produtor (IPP) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) desacelerou a 0,85 por cento em outubro, após alta de 1,23 por cento em setembro. Os contratos de DI negociados na BM&FBovespa operavam em queda. O mercado mantém as expectativas para quinta-feira, quando serão divulgadas a inflação oficial de novembro e a ata da última reunião de política monetária.


Veja como estavam os principais mercados às 14h26 desta quarta-feira:

CÂMBIO – O dólar era cotado a 1,7920 real, em queda de 0,31 por cento frente ao fechamento anterior.

BOVESPA – O Ibovespa caía 0,79 por cento, para 59.066 pontos. O volume financeiro na bolsa era de 2,46 bilhão de reais.

ADRs BRASILEIROS – O índice dos principais ADRs brasileiros tinha variação positiva de 0,02 por cento, a 30.493 pontos.

JUROS – Os contratos de DI exibiam baixa, com o DI janeiro de 2013 em 9,750 por cento ao ano ante 9,810 por cento no ajuste anterior.

EURO – A moeda comum europeia era cotada a 1,3391 dólar, ante 1,3401 dólar no fechamento anterior.

GLOBAL 40 – O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia para 131,563 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 2,051 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS – O risco Brasil caía 2 pontos, para 213 pontos-básicos. O EMBI+ avançava 1 ponto, a 360 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA – O índice Dow Jones caía 0,13 por cento, a 12.134 pontos, o S&P 500 tinha baixa de 0,43 por cento, a 1.253 pontos, e o Nasdaq registrava variação negativa de 0,60 por cento, aos 2.633 pontos.

PETRÓLEO – Na Nymex, o contrato de petróleo mais curto recuava 0,84 dólar, ou 0,83 por cento, a 100,45 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS – O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia, oferecendo rendimento de 2,0646 por cento ante 2,086 por cento no fechamento anterior.