Alta do dólar prejudica empresas que dobraram dívida externa

Analistas projetam perdas ainda maiores para a moeda brasileira, que tem o pior desempenho entre as 16 principais do mundo

A queda do real este ano está elevando o custo de financiamento para empresas locais que duplicaram suas dívidas em dólar desde 2009. Analistas projetam perdas ainda maiores para a moeda brasileira, que tem o pior desempenho entre as 16 principais do mundo.

As empresas privadas do País ampliaram suas dívidas em moeda estrangeira de US$ 102,7 bilhões em 2009 para US$ 199,8 bilhões em outubro, de acordo com os últimos dados do Banco Central. Volume recorde de US$ 46 bilhões em títulos foi emitido no exterior este ano, o dobro do montante captado por companhias mexicanas em 2012.

O enfraquecimento do real está inflando o custo dos empréstimos para tomadores brasileiros de recursos e afetando o lucro de companhias com despesas em dólares como a Petróleo Brasileiro SA e a Gol Linhas Aéreas Inteligentes SA. Depois da queda de 11 por cento do real este ano, o HSBC Holdings Plc e a Nomura Holdings Inc. previram que a moeda vai se depreciar pelo menos outros 8,7 por cento até o fim de 2013 com o governo ampliando as medidas para apoiar os fabricantes locais.

Um real fraco “reduz a margem de lucro das empresas brasileiras, que agora têm mais dívidas em moeda estrangeira e mais fornecedores internacionais”, disse Octavio de Barros, diretor e economista chefe do Banco Bradesco SA, em entrevista por telefone de São Paulo. “Essa nova onda de desvalorização do real, embora positiva para o crescimento da economia no longo prazo, acaba atrasando a recuperação econômica.”