Airbnb pode fazer listagem direta em vez de IPO tradicional

Modalidade permite que os investidores escolham o preço na bolsa

A tão esperada estreia do Airbnb em Wall Street está oficialmente agendada para 2020, mas a startup de compartilhamento de residências busca um caminho não convencional para a abertura de capital.

O Airbnb, com sede em São Francisco, prepara uma listagem direta, em vez de uma oferta pública inicial, segundo pessoas a par do assunto que não quiseram ser identificadas. O Airbnb não quis comentar.

As startups de tecnologia geralmente escolhem um IPO tradicional para levantar recursos no mercado acionário. Algumas das novas gerações de empresas de tecnologia passaram anos captando fundos privados e nem sempre precisam de dinheiro de uma oferta pública inicial para expandir seus negócios.

No entanto, procuram uma maneira de permitir que empregados e investidores lucrem. Uma listagem direta permite que as empresas reduzam os milhões de dólares que normalmente pagam aos bancos de investimento em comissões de subscrição, porque não emitem novas ações e não captam dinheiro novo. Em vez disso, permitem que o mercado escolha o preço. A Slack Technologies e o Spotify seguiram a rota da listagem direta.

Um IPO também forçaria o Airbnb a abrir sua contabilidade para investidores. A WeWork, que deveria planejava uma oferta pública inicial neste trimestre, teve que engavetar o IPO depois que alguns investidores viram os números da empresa de coworking.

Na terça-feira, centenas de capitalistas de risco e executivos de empresas de private equity se reúnem no Vale do Silício para discutir os benefícios das listagens diretas. O evento é patrocinado por 12 empresas de capital de risco e contará com Mike Moritz, do Sequoia Capital, o maior investidor de capital de risco do Airbnb, Bill Gurley, da Benchmark, e Barry McCarthy, diretor financeiro da Spotify

Com um valuation privado de US$ 31 bilhões, o Airbnb deve ser tópico de discussão.