Agenda do dia tem IPCA-15, Petrobras e China

O Banco Central também informa hoje o fluxo cambial da última semana

São Paulo – Ações europeias e rendimentos dos títulos soberanos recuam com saldo comercial do Japão abaixo das estimativas e resultados de empresas. Na China, ações caíram com receio de imposto maior sobre imóveis.

Os juros futuros podem reagir ao IPCA-15. Agenda do dia ainda traz fluxo cambial e relatório da dívida aqui, revendas de casas, estoques de petróleo e ata do Fed nos EUA, além de índice de antecedentes e PMI na China. Petrobras, que dará entrevista hoje, disse que encontrou óleo ‘de boa qualidade’ no pré-sal de Santos com coluna de 295 metros.

Hoje a coluna de renda fixa mostra que a Moody’s prevê que empresas como a Invepar e a Rota das Bandeiras sejam as primeiras a levantar recursos com a emissão de debêntures ligadas a projetos de infraestrutura, um mercado que, segundo o governo, pode chegar a US$ 50 bilhões.

Internacional: Bolsas caem com balança do Japão e empresas

Ações europeias caem, enquanto os índices futuros apontam baixa para bolsas americanas após dado no Japão mostrar déficit comercial maior que o esperado e com o corte em previsão da Dell.

Déficit japonês julho: 517,4 bi de ienes X superávit 60,3 bi junho; est. -270 bi.

Dell cortou previsão de lucro para o ano e prevê vendas abaixo das estimativas dos analistas, enquanto Heineken divulgou resultado menor que o previsto no 1º sem.

Ações chinesas caíram com especulações que governo aumentará imposto sobre imóveis e com a queda das exportações japonesas para a China.

Premiê de Luxemburgo Jean-Claude Juncker, líder do grupo de ministros de finanças europeus, visita hoje a Grécia.

Premiê grego Antonis Samaras disse antes de encontros hoje que o país precisa de “mais ar para respirar” no manejo de sua crise de dívida.

“O crescimento global ainda é fraco e isto está evidenciado nos números vagarosos da economia e das empresas”, disse Allan Yu, do Metropolitan Bank & Trust Co. em Manila. “Estes encontros na Europa vão dar o tom. Se os problemas persistirem após as reuniões, veremos deterioração adicional nas perspectivas globais”.

Dólar e iene sobem contra a maioria das demais moedas após dados no Japão evidenciarem fragilidade da economia global, elevando demanda por ativos mais seguros.

Petróleo negociado perto da máxima em 3 meses com os riscos para o suprimento mundial contrabalançando os sinais de desaceleração econômica, enquanto o cobre está perto da estabilidade.

Preço do minério de ferro pode reagir com a China aproveitando os preços menores para elevar compras de produtores como a Vale e Rio Tinto.

Juros dos títulos do Tesouro americano caem com os dados japoneses, assim como as taxas da Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Espanha.


Agenda do dia: IPCA-15, Petrobras, fluxo, ata do Fed e China

O IPCA-15 deve mostrar alta de 0,37% em agosto, segundo estimativas medianas de 45 analistas. O IBGE divulga o indicador às 9:00, no Rio de Janeiro.

Para acompanhar

Petrobras (PETR4 BZ) faz coletiva de imprensa com o diretor de gás e energia, José Alcides Santoro, sobre os planos da companhia para o período 2012-2016 às 14:00, no Rio de Janeiro.

O BC informa o fluxo cambial da última semana, às 12:30.

ALL (ALLL3 BZ) tem encontro com analistas, às 11:00, no Rio.

Souza Cruz (CRUZ3 BZ) encontra analistas, às 18:00, em Lourdes, MG.

Diretor da BP no Brasil, Guillermo Quintero, faz palestra, às 12:00, na Câmara Britânica de Comércio, no Rio.

Executivos do setor de energia participam do segundo dia de evento sobre hidroelétricas, a partir das 8:30, em São Paulo.

A Secretaria do Tesouro Nacional divulga o relatório mensal da Dívida Pública referente ao mês de julho às 14:30. Haverá coletiva de imprensa para comentar os resultados a partir das 15:00 em Brasília.

Governo

Presidente Dilma Rousseff reúne-se às 10:00 com Mendes Ribeiro, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, às 11:00 com Paulo Sérgio Passos, ministro dos Transportes, e às 15:00 com Daniel Iliescu, presidente da UNE.

Ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem reuniões internas no ministério • Presidente do BC, Alexandre Tombini, tem reuniões de trabalho em Brasília.

Empresas em destaque: Petrobras, Energisa, EcoRodovias, Celpa

Petrobras (PETR4 BZ) encontra óleo ‘de boa qualidade’ no pré- sal, no 4º poço perfurado na área de cessão onerosa da Bacia de Santos. Poço 3-BRSA-1053-RJS (Franco SW) está a profundidade de 2.024 metros, ainda está em fase de perfuração a 5.656 metros de profundidade e prosseguirá até atingir nível previsto no contrato de cessão onerosa, a aproxim. 6.175 metros, diz Petrobras. Coluna de hidrocarbonetos até o momento é de 295 metros.

Petrogal encontrou óleo no bloco SEAL-T-429 da Bacia de Sergipe. Descoberta no poço 4GALP45SE ainda não declarada comercialmente viável. Petrobras detém 50% do poço descoberto pela Petrogal, que tem outra metade.

Energisa (ENGI3 BZ) conclui aquisição de 4 termelétricas. Companhia vai investir R$ 350 mi para expandir unidades. Aquisição foi feita por aproximadamente R$ 150 mi. Empresa comenta em comunicado à CVM.

EcoRodovias (ECOR3 BZ) elevada de brAA+ para brAAA pela S&P. Elevação de nota também foi dada à EcoRodovias Concessões. Perspectiva estável. Emissão futura da EcoRodovias Concessões recebeu nota brAA+.

Celpa (CELP3 BZ): Aneel decide sobre plano da Equatorial para Celpa na próxima semana, disse o diretor geral da Aneel, Nelson Hubner, a repórteres em Brasília.

Banco Bonsucesso (BONS4 BZ) está apostando no cartão de crédito consignado para se defender do avanço dos bancos grandes no mercado de empréstimos com dedução em folha de pagamentos.

TIM (TIMP3 BZ) rebaixada ao equivalente a manutenção pela Sanford Bernstein. Recomendação anterior era compra.

Telefônica Brasil (TLPP3 BZ) rebaixada ao equivalente a venda na Sanford Bernstein. Recomendação anterior era equivalente a manutenção.

Triângulo do Sol Auto-Estradas SA entrou com pedido de registro de empresa de capital aberto no Brasil, segundo dados do website da CVM.


Fechamento de ontem: Bolsa reverte alta acompanhando Nova York

Ibovespa fechou em queda, depois de atingir a maior valorização desde 2010, acompanhando reversão das bolsas americanas e com especulações de que ganhos recentes podem ter sido excessivos dada a perspectiva para a economia global. IBOV: -0,62%, para 58.917,73 pontos.

Juros: Taxas do DI reverteram alta após anúncio do Banco Central de leilão de swap cambial reverso. DI Jan 2013: -1 ponto-base, para 7,30%. DI Jan 2014: -3 pontos-base, para 7,89%.

Banco Central reiterou a sua previsão de crescimento do PIB de 2,5% para este ano, disse ontem o porta-voz Gustavo Paul em entrevista por telefone. Senador Cristovam Buarque disse ontem mais cedo que Alexandre Tombini, presidente do BC, havia falado em uma reunião que o PIB cresceria pelo menos 2% em 2012.

Presidente do BC também espera que a inflação se desloque para o centro da meta de 4,5% até fim do ano, mesmo com os preços agrícolas sofrendo uma pequena pressão, disse o senador do PDT em entrevista por telefone de Brasília.

Câmbio: O dólar fechou estável com swap após encostar em R$ 2. Dólar: -0,03% para R$ 2,0164