Ações europeias têm forte queda com extensão do drama grego

Bolsas do continente fecharam com o pior resultado de fevereiro

Londres – As ações europeias registraram a queda mais acentuada desde janeiro nesta sexta-feira, com os investidores livrando-se dos bancos, uma vez que apareceram recentes problemas na oferta à Grécia para assegurar o resgate internacional e evitar um default caótico. O índice FTSEurofirst 300 das principais ações europeias fechou em queda de 0,9 por cento, para 1.064 pontos, segundo dados preliminares, retrocedendo da maior alta em seis meses, próximo de 1.080 pontos, atingidos no início da semana.

Após semanas de questionamentos e incertezas, um acordo parecia praticamente assegurado na Grécia, quando políticos gregos concordaram com um pacorte de medidas de austeridade para acalmar os seus financiadores, deflagrando um rali de alívio nos mercados mundiais. Mas apareceram problemas durante a noite, com os ministros da zona do euro dizendo que Atenas precisa fazer mais.

Nesta sexta-feira, um líder de um partido de extrema-direita afirmou que não apoiará as medidas de austeridade, que são extremamente impopulares. “É mais uma extensão do drama grego e confirma que os mercados precificaram até certo ponto que conseguiremos passar por isso. Então, se a probabilidade de um default caótico aumenta um pouco, isso pesa no mercado”, afirmou o chefe de estratégia do ING Investment Management, Valentijn van Nieuwenhuijzen. “A primeira reação é um pouco de negociação reversa -vender setores que foram bem nas últimas seis semanas.

Em LONDRES, o índice Financial Times caiu 0,73 por cento, a 5.852 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX perdeu 1,41 por cento, para 6.692 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 declinou 1,51 por cento, a 3.373 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib baixou 1,76 por cento, para 16.361 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 desceu 1,18 por cento, a 8.797 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 recuou 0,84 por cento, para 5.620 pontos.