Ações da TAM disparam 8,5% em primeiro pregão após fusão

Papéis decolam para o topo do Ibovespa na manhã desta segunda-feira; segundo analistas, ações devem continuar subindo

São Paulo – O mercado continua eufórico com a notícia da fusão entre as aéreas TAM e a Lan Chile, anunciada na última sexta-feira (13). Naquele dia, as ações da maior companhia área brasileira fecharam valorizadas em 28%. Nesta segunda-feira (16), após uma hora de abertura do pregão, as ações da TAM operam em alta de 8,5%, negociadas a 39,28 reais. Enquanto isso, o Ibovespa opera em leve alta de 0,11%.

Na sexta-feira, a companhia área brasileira anunciou que pretendia fundir as operações com a empresa chilena e criar uma nova holding denominada “LATAM”. A notícia já havia sido antecipada por EXAME. As ADRs (American Depositary Receipts) da Lan, negociadas em NY, também operam em alta na manhã de hoje, valorizadas em 2,94%, com preço de 28 dólares por papel.

Papéis podem decolar ainda mais

Segundo análise da corretora Socopa, ainda há espaço para maior valorização nos papéis da companhia mesmo após a forte alta. “Com base na cotação de fechamento das ações da LAN na sexta-feira, os papéis da TAM foram avaliados em aproximadamente R$ 43,50, havendo ainda espaço para apreciação das ações”.

A partir de agora, ressalta a corretora, os papéis da TAM devem acompanhar o desempenho das ações da LAN. A corretora mantém a TAM como “top pick” e fixou o preço teórico por ação em 45 reais.

Mesmo com a valorização estratosférica obtida na sexta-feira, a taxa de conversão permanece favorável ao acionistas da TAM, avalia o Santander. O cenário mais provável é de valorização dos papéis da TAM, e não depreciação da LAN, até a convergência dos dois papéis, diz o analista Caio Dias. “O preço de fechamento da sexta-feira resulta numa razão de 0,77, a qual acreditamos que deva rapidamente convergir para  a relação TAM/ LAN de 0,9″.

Acompanhe, em tempo real, teleconferência da TAM sobre a fusão com a Lan Chile e seus resultados do seguntro trimestre.

Siga as notícias do site EXAME sobre Mercados no Twitter.