Ações fecham no maior nível em 5 anos na Europa

O índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 encerrou em alta de 0,45 %, a 1.1236 pontos, máxima de fechamento que não era vista desde meados de 2008

Paris - As <strong><a href="https://exame.abril.com.br/topicos/acoes" target="_blank">ações</a></strong> europeias subiram para nova máxima de fechamento em cinco anos nesta terça-feira, auxiliadas por um conjunto de resultados corporativos acima do esperado e sinais de que grandes investidores ainda estão com apetite pelo mercado acionário.</p>

O índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 encerrou em alta de 0,45 %, a 1.1236 pontos, máxima de fechamento que não era vista desde meados de 2008.

O banco italiano Intesa Sanpaolo, a empresa alemã de correios Deutsche Post e o conglomerado industrial francês EADS estavam entre aqueles que tiveram os maiores ganhos, após relatarem lucros melhores que o esperado, ofuscando alguns dados operacionais cautelosos.

“A habilidade das empresas de ainda superar as expectativas com os ganhos mostra que há resiliência e controle de custos, e é uma razão para o ímpeto (no mercado)”, disse o diretor-gerente da B Capital, Lorne Baring.

“É claro que isso (o ímpeto) é sustentado pelo ‘quantitative easing’ (programa de compra de títulos) ininterrupto dos bancos centrais”, continuou Baring.

As visões dele se refletiam nos comentários do influente investidor norte-americano David Alan Tepper, que disse em entrevista ao canal de TV CNBC nesta terça-feira que ainda está otimista com as ações, à luz do estímulo monetário contínuo do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.

Os comentários de Tepper, junto com dados estimando aceleração nas vendas de cadeias de lojas dos Estados Unidos em maio, ajudaram as ações norte-americanas a subirem e o índice FTSEurofirst 300 a fechar em máxima recorde.

O índice alemão DAX avançou 0,70 %, para 8.339 pontos, nova máxima de fechamento geral, ao mesmo tempo que o índice de blue chips da zona do euro, Euro Stoxx 50 , teve alta de 0,66 %, para 2.795 pontos, nível de fechamento que não era visto desde junho de 2011.


Em Londres, o índice Financial Times avançou 0,82 %, a 6.686 pontos.

Em Frankfurt, o índice DAX subiu 0,72 %, para 8.339 pontos.

Em Paris, o índice CAC-40 teve alta de 0,53 %, a 3.966 pontos.

Em Milão, o índice Ftse/Mib ganhou 0,84 %, para 17.315 pontos.

Em Madri, o índice Ibex-35 expandiu 0,20 %, a 8.474 pontos.

Em Lisboa, o índice PSI20 recuou 3,01 %, para 6.032 pontos.