Ações do setor agrícola lideram ranking de rentabilidade em 2008

Papéis sobem até 84% impulsionados pela alta nos preços dos alimentos em todo o mundo

Basta uma rápida passada pelos corredores dos supermercados para constatar que a inflação está de volta. E não são só as gôndolas no Brasil que denunciam a escalada dos preços. Nos Estados Unidos, na Europa e em diversos países ao redor do planeta o assunto já é olhado com cautela pelas autoridades. Se por um lado o surto inflacionário traz a boa notícia de que há mais gente consumindo, por outro agrava o problema da fome mundial. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de um bilhão de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza, com menos de 1 dólar por dia.  Para essas pessoas está ainda mais difícil ter acesso a alimentos, que de acordo com o Commodity Research Bureau, instituto de pesquisas americano que acompanha o setor, ficaram 190% mais caros nos últimos dois anos. 

Os investidores que conseguiram perceber o descompasso entre o crescimento da oferta e o da demanda mundial por por produtos agrícolas meses atrás, entretanto, viram suas aplicações engordarem. Apenas no primeiro semestre de 2008, os papéis da SLC Agrícola, produtora de algodão, milho, soja e café que estreou na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em junho do ano passado, subiram 83,92%. O retorno foi tão positivo que, mesmo diante de um período de instabilidade no mercado acionário, a companhia se animou em lançar uma nova oferta de ações e, no dia 27 de junho, colocou mais 11,7 milhões de papéis no mercado.

A Renar Maçãs, por sua vez, após um início difícil na Bovespa em 2005, já contabiliza valorização de 83,76% neste ano. A companhia chegou a amargar perdas de mais de 60%, mas no ano passado recuperou o fôlego e acumulou ganhos de 182,15%.

Rentabilidade das ações de agro na Bovespa
  Em junho* (%) Em 2008* (%)
SLC Agrícola (SLCE3) -3,94 83,92
Renar (RNAR3) 0,94 83,76
BrasilAgro (AGRO3) -4,22 22,50
Ibovespa -11,39 0,68
* Até 27 de junho
Fonte: Bovespa e Lafis

Com números tão atrativos, o segmento agrícola lidera o ranking de rentabilidade de ações em 2008, que traz na segunda posição outro setor fortemente impulsionado pela demanda mundial: siderurgia.

Os setores mais rentáveis da Bolsa em 2008
Setor Variação em 2008* (%) Variação em junho* (%) Quantidade de ações
Agro e Pesca 70,8 -4,3 5
Siderurgia e Metalurgia 42,0 -8,8 27
Energia Elétrica 9,2 0,1 41
Alimentos e Bebidas 9,1 -12,9 23
Química 5,2 -3,4 22
Petróleo e Gás 3,6 -7,1 8
Telecomunicações 0,9 -7,8 25
Minerais não Metálicos 0,8 -27,0 3
Mineração -5,6 -13,4 3
Outros -6,9 -12,2 64
Papel e Celulose -10,9 -16,5 6
Software e Dados -12,8 -5,2 3
Têxtil -14,3 -2,0 29
Transporte -15,6 -13,9 15
Finanças e Seguros -17,2 -18,9 44
Comércio -17,8 -18,4 15
Veiculos e Peças -18,7 -19,9 20
Máquinas Industriais -20,2 -6,8 5
Construção -20,3 -16,7 31
Eletroeletrônicos -51,4 -10,1 10
* Até 27 de junho
Fonte: Economática

O ciclo de crescimento puxado pela China, aliado aos baixos estoques de aço no mundo, garantiram às empresas do ramo fortes ganhos nos últimos meses. Os papéis da CSN, depois de receberem o título de mais rentáveis em 2007, subiram 36,78% no semestre. Os ganhos, entretanto, ficaram abaixo dos proporcionados pelas ações da Gerdau e da Usimimas – 43,91% e 48,07%, respectivamente. “As ações da Usiminas ainda estão muito baixo do valor das concorrentes. Se a inflação não derrubar o mercado, os retornos para os acionistas devem ser generosos”, diz o analista da corretora Brascan Rodrigo Ferraz.

Rentabilidade das ações de siderurgia na Bovespa
  Em junho* (%) Em 2008* (%)
CSN (CSNA3) -11,48 36,78
Usiminas (USIM5) -8,91 48,07
Gerdau (GGBR4) -9,62 43,91
Ibovespa -11,39 0,68
* Até 27 de junho
Fonte: Bovespa e Lafis

Das dez ações do Ibovespa que mais subiram no ano, cinco são de siderúrgicas. O resultado reflete os 23%, em média, de reajuste nos preços do aço no primeiro semestre e a expectativa de um novo aumento – dessa vez por volta de 15% – em meados de julho. “Por enquanto, não há indícios de que a inflação vai derrubar o consumo de automóveis, linha branca e imóveis. Nem mesmo o crescimento da inadimplência está afetando os negócios”, afirma Ferraz.

A campeã de rentabilidade em 2008, porém, não vem nem do setor de siderurgia, nem dos agronegócios. A incorporação da Nossa Caixa pelo Banco do Brasil levou as ações da instituição paulista às alturas, fechando o semestre com uma valorização de 84,94%. O caso provocou discussões no mercado, com concorrentes como Bradesco, Itaú e Unibanco reivindicando um leilão para terem a chance de participar do negócio. Chegou-se a cogitar que a venda da Nossa Caixa seria atrelada à privatização da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), que teve seu processo de venda fracassado por falta de interessados. A operação casada foi negada pelo governador de São Paulo, José Serra.

As 10 maiores alta do Ibovespa em 2008*
Empresa Ação Valorização (%)
Nossa Caixa BNCA3 84,94
Usiminas USIM5 48,89
Gerdau GGBR4 48,37
Gerdau Metalúrgica GOAU4 45,93
Transmissão Paulista TRPL4 43,67
CSN CSNA3 38,63
JBS – Friboi JBSS3 38,34
Usiminas USIM3 38,31
Cosan CSAN3 32,78
Cemig CMIG4 30,06
Ibovespa   1,68
 
Fonte: Lafis