Ações do Bradesco despencam mais de 7% com Zelotes

Polícia Federal encaminhou relatório ao MPF em que indicia presidente do banco na operação que investiga esquema de sentenças do Carf

São Paulo – As ações do Bradesco (BBDC4) despencaram na Bovespa nesta terça-feira (31), após a Polícia Federal ter encaminhado ao MPF (Ministério Público Federal) relatório em que indicia o presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, na Operação Zelotes.

A Zelotes investiga possíveis vendas de sentenças no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o MPF ainda avalia o relatório e deve solicitar novas diligências antes de decidir se apresenta ou não a denúncia à Justiça por corrupção ativa contra Trabuco.

As ações preferenciais (sem direito a voto) do Bradesco chegaram a subir na abertura das negociações e depois perderam força, mas passaram a derreter após a informação sobre a Zelotes, pouco depois das 15h (de Brasília). Veja o gráfico abaixo.

(BM&FBovespa)

Na máxima do dia, os papéis preferenciais do banco chegaram a ter valorização de 0,75%. Na mínima, recuaram 7,33%. Eles fecharam a sessão em baixa de 5%, para R$ 22,80 cada um. 

Já os ordinários BBDC3 (com direito a voto), subiram até 0,71% na máxima e caíram até 5,78% na mínima. Eles encerraram o dia com desvalorização de 3,69%, para R$ 24,51 cada um. 

A perda das ações do Bradesco também derrubou o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, que cedeu 1,01%, a 48,472 pontos. O índice chegou a subir até 0,62% durante o pregão.

Posicionamento

Em nota, o Bradesco disse “que não houve contratação dos serviços oferecidos pelo grupo investigado” e que “foi derrotado por seis votos a zero no julgamento do Carf”.

O banco afirmou ainda que seu presidente “não participou de qualquer reunião com o grupo citado” no relatório da Polícia Federal. 

“O mérito do julgamento se refere a ação vencida pelo Bradesco em todas as instâncias da Justiça, em questionamento à cobrança de adicional de PIS/Cofins. Esta ação foi objeto de recurso pela Procuradoria da Fazenda no âmbito do Carf”, disse o banco.

Segundo a nota, o Bradesco vai apresentar seus argumentos juridicamente por meio do seu corpo de advogados.

Atualizada às 17h40.