Ações despencam com dados ruins dos EUA

Quedas ultrapassam 5%; papéis da Cyrela, Souza Cruz e TAM são os mais afetados

Os números referentes ao mercado de trabalho nos Estados Unidos jogaram um balde de água fria nos investidores nesta sexta-feira (4/1) e provocaram uma forte queda nos papéis do Índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa). Às 12h37, as perdas superavam 5%.</p>

Os papéis da Cyrela eram os mais afetados, com desvalorização de 5,66%, para 22,16 reais. Souza Cruz e TAM registravam a segunda e a terceira maior queda da Bolsa – 5,43% e 4,6%, cotadas a 42,60 reais e 40 reais, respectivamente. Apenas as ações da Brasil Telecom apresentavam alta (2,71%), negociadas a 18,95 reais, enquanto o Ibovespa caía 2,6%.

Os dados voltam a levantar dúvidas sobre a saúde da economia americana e cresce o receio de recessão. A taxa de desemprego nos Estados Unidos subiu para 5%, a maior dos últimos dois anos, enquanto o número de vagas criadas em dezembro – que pela avaliação dos analistas deveria girar em torno de 50.000 – não ultrapassou 18.000.

Com este cenário, aumenta a expectativa de um novo corte na taxa de juros da economia americana. No entanto, a inflação em alta coloca o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) em situação delicada: combater o aumento de preços e, ao mesmo tempo, impedir o desaquecimento da economia.

E esse deve ser apenas o começo da agitação no mercado em 2008. Segundo os analistas, o ano promete ser bastante turbulento, com desaceleração do crescimento mundial e focos de inflação. Apesar das boas perspectivas para as companhias brasileiras, quem decidir manter seus recursos aplicados em Bolsa deve preparar o coração para fortes emoções.