Ações de siderúrgicas estão baratas, diz corretora

Para a Planner, empresas estão subavaliadas, mas os bons resultados do último trimestre devem impulsionar os papéis na Bolsa

Para quem procura pechinchas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), a corretora Planner dá três indicações: Usiminas, CSN e Gerdau. Para a corretora, as empresas brasileiras de siderurgia estão <a href="http://portalexame.abril.com.br/static/aberto/guiadoinvestidor/relatorios/busca.html?empresa=gerdau&amp;dia_i=00&amp;mes_i=00&amp;ano_i=0000&amp;dia_f=00&amp;mes_f=00&amp;ano_f=0000&amp;tipo=1&amp;instituicao=&amp;busca=true" target="_blank"><strong>subavaliadas</strong></a>, não refletindo o real potencial de crescimento do setor.</p>
Empresa Ação Cotação em 06/08/2008 (R$) Variação no mês (%) Variação no ano (%)
CSN CSNA3 57,90 -5,55 12,89
Gerdau GGBR4 32,12 -6,36 24,94
Usiminas USIM5 59,70 -13,48 10,91
Fonte: Bovespa e Economática

Mas o preço baixo deve durar pouco. Com a divulgação de resultados referentes ao segundo trimestre, é esperada uma recuperação dos papéis. Nesta quarta-feira (6/8), a Gerdau publicou seu balanço, surpreendendo os analistas da corretora Brascan. “Os resultados apresentados pela companhia vieram bastante acima de nossas expectativas”, ressaltou a corretora em relatório.

A Gerdau reportou um aumento de 85% em seu lucro líquido, com crescimento de 3,5 ponto percentual na sua margem de ganho antes de juros, impostos, depreciação e amortizações (Ebitda). A maior margem de lucro decorre da disparada no preço do aço, enquanto o reajuste das matérias-primas foi feito em menor valor. O fato de a Gerdau produzir 30% do minério de ferro que consome e do reajuste do carvão ser válido apenas a partir do terceiro trimestre também contribuiu para o melhor resultado da companhia.  Mesmo com o desaquecimento da economia nos Estados Unidos, a siderúrgica conseguiu aumentar seu volume de vendas na América do Norte e elevar em 1,6 ponto percentual sua margem de lucro Ebitida na região.

Para o próximo trimestre, a Brascan espera a continuidade do crescimento das vendas no mercado interno, que correspondem a mais de 40% da geração de caixa da companhia, além do aumento das exportações, em virtude da maior capacidade de produção da Açominas.

Usiminas e CSN devem anunciar seus balanços na próxima semana. Para a Planner, ambas as empresas devem apresentar bons resultados.