Google, Amazon e Facebook desabam com temores de cerco regulatório

Ações foram fortemente atingidas diante de possível avanço de medidas antitruste nos EUA

As ações de gigantes da tecnologia, as mais valiosas do mundo, sofrem fortes perdas nesta segunda-feira (3), em meio a notícias de que reguladores antitruste nos Estados Unidos podem ter fechado um acordo para acelerar medidas contra práticas anticompetitivas.

A Alphabet, dona da multinacional de serviços online Google, é uma das mais atingidas. Chegou a cair em torno de 7% após informações de que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos pode investigar a empresa por supostas práticas prejudiciais a seus concorrentes, noticiou o “The Wall Street Journal”.

A suspeita recai sobre o suposto tratamento preferencial dado pela proprietária do Google a seus próprios serviços nos resultados de pesquisa. A Alphabet chegou a perder mais de US$ 50 bilhões em valor de mercado nesta segunda, indo a aproximadamente US$ 716 bilhões, a maior desvalorização desde abril de 2011, segundo a Reuters.

A suposta investigação representa o ataque mais recente a uma empresa de tecnologia pelo governo de Donald Trump, que tem acusado grandes redes sociais e o próprio Google de suprimir opiniões conservadoras em suas plataformas online.

Também se discute a privacidade de dados dos usuários e a adoção de políticas mais duras de regulamentação e defesa da concorrência, como na Europa.

Acordo também atinge Amazon e Facebook

As ações da rede social Facebook, outro provável alvo das medidas regulatórias dos EUA, perdiam quase 5% no início da tarde.

Já a gigante do comércio eletrônico Amazon também caía em torno de 6,9% no início da tarde, o que representa uma perda de valor de mercado em torno de US$ 33 bilhões.

A varejista foi pressionada pela notícia de que a empresa poderia enfrentar um aumento no controle antitruste, sob o novo acordo entre os reguladores dos EUA, colocando a empresa sob vigilância da comissão de comércio.