Ações de Bovespa e BM&F disparam com mudança na CSLL

Bolsas devem ficar de fora do reajuste na alíquota do tributo, que passa a vigorar em maio

As ações da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) dispararam nesta segunda-feira (28/4) com a notícia de que o reajuste na Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) não deve atingir as bolsas. A partir de maio, a alíquota do tributo para o setor financeiro sobe de 9% para 15%.

Durante o pregão, os papéis da Bovespa chegaram a subir 6,9%, mas encerraram o dia cotados a 22 reais, em alta de 4,16%. Já as ações da BM&F tiveram valorização máxima de 6,6% no dia, e fecharam cotadas a 14,49 reais, em alta de 5,84%. Na sexta-feira (25/4), os papéis já tinham experimentado forte valorização, de 5,33% e 4,9%, respectivamente.

De acordo com o deputado Odair Cunha (PT-MG), relator da Medida Provisória 413, que trata da cobrança da CSLL, foi realizada uma alteração no texto original da medida determinando que a tributação para as bolsas permaneça em 9%. “A alteração foi feita porque entendo que a bolsa não faz intermediação financeira”, afirmou.

O deputado destacou que a elevação da CSLL implicaria em maiores custos para se operar na bolsa, reduzindo o volume negociado e estimulando a saída de investidores para bolsas em outros países, que trabalham com custos menores.

Diante das boas notícias, a corretora Itaú revisou para cima suas projeções para as ações de ambas as bolsas. A previsão para as ações da Bovespa em dezembro de 2008 passaram de 33,20 reais para 36,50 reais, o que representa um potencial de alta de 72,8% frente ao fechamento da última sexta-feira (25/4). Já a expectativa para os papéis da BM&F passaram de 23,50 reais para 25,80 reais, potencial de valorização de 88,5% até o final do ano.

*Com informações da Agência Estado
** Atualizada às 18h15