Ações de Bovespa e BM&F disparam com fusão

Bolsas formarão uma nova companhia e acionistas receberão uma nova ação para cada papel que possuem

As ações da Bovespa Holding e da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) iniciaram os negócios desta quarta-feira (26/3) em alta, após as duas bolsas anunciarem na noite desta terça-feira que fecharam um acordo para fusão de suas atividades. Às 10h18, as ações da Bovespa eram cotadas a 27,89 reais, valorizadas em 12,23%, enquanto os papéis da BM&F subiam 8,33%, para 18,20 reais.

Com a fusão, será criada uma nova empresa, que será a terceira maior bolsa do mundo, e a segunda das Américas, em valor de mercado. A Nova Bolsa, como será provisoriamente chamada, é a maior da América Latina nos mercados de ações e derivativos, com participação de aproximadamente 80% do volume médio diário negociado com ações, e com negócios diários no mercado futuro no valor de US$ 67 bilhões.

Tanto os acionista da Bovespa, como os da BM&F, receberão uma ação da Nova Bolsa para cada ação que detêm hoje. Como o valor de mercado da Bovespa é superior ao da BM&F, os acionistas da bolsa paulista receberão um adicional em dinheiro de 1,24 bilhão de reais. O valor será rateado de acordo com a quantidade de ações que cada acionista possui.

O conselho de administração da Nova Bolsa será composto paritariamente por representantes indicados pela Bovespa e pela BM&F, tendo maioria de membros independentes. Até o dia 31 de dezembro de 2008 estará ativo um comitê de transição, do qual farão parte os respectivos presidentes e diretores-gerais das companhias.

Ao comitê de transição caberá, num prazo de 60 dias, a indicação do novo presidente do conselho de administração e do novo diretor-geral da Nova Bolsa. Até que ocorra essa indicação, a presidência do conselho de administração será ocupada pelos atuais presidentes do conselho de administração de cada uma das companhias, e os dois executivos principais das empresas ficarão com o cargo de diretores-gerais da Nova Bolsa.

Com a união, as bolsas estimam reduzir em até 25% suas despesas operações até 2010.

Negociações

As negociações entre as duas bolsas tiveram início em 19 de fevereiro, quando foi anunciada oficialmente a intenção das empresas em se fundirem. Na ocasião, ficou definido que por um prazo de 60 dias as duas bolsas não negociaram fusão ou aquisição com qualquer outra empresa.

Os rumores sobre uma possível fusão entre Bovespa e BM&F, no entanto, já circulavam no mercado desde o segundo semestre de 2007, em função da desmutualização de ambas as bolsas, seguida da abertura de capital. A primeira a listar suas ações no mercado foi a Bovespa, que em 26 de outubro de 2007 realizou sua oferta pública inicial de ações com os papéis custando 23 reais. O valor ficou acima do projetado inicialmente pelo Credit Suisse, coordenador da operação, que previa um preço inicial entre 15,50 reais e 18,50 reais. Em função da forte demanda, no entanto, a instituição se viu obrigada a rever suas estimativas às vésperas do IPO (sigla em inglês para oferta pública inicial).

A operação rendeu à Bovespa 6,6 bilhões de reais, transformando seu IPO em um dos maiores do mundo em 2007. Logo no primeiro dia de negociações, entretanto, as cotações dispararam e as ações encerraram o pregão em de 52%. Isso fez com que o valor de mercado da Bovespa batesse os 25 bilhões de reais, ultrapassando empresas do porte de Embraer e Telemar.  

Um mês depois foi a vez da BM&F lançar suas ações da Bolsa, levantando 6 bilhões de reais. Como aconteceu com a Bovespa, seus papéis saíram no teto do projetado pelos organizadores – 20 reais – e a companhia experimentou na estréia uma valorização de 22% em seus papéis, que fecharam o dia cotados a 24,40 reais.

Tendência mundial

A união entre Bovespa e BM&F segue uma tendência que já é verificada em bolsas de todo o mundo. Exemplo desse movimento é a recente fusão entre a Bolsa de Nova York e a européia Euronext, além da aquisição da Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) pelo CME Group, controlador da Bolsa de Chicado.

A busca por parcerias também faz parte do processo de consolidação pelo qual passa o setor. A própria BM&F fechou, no ano passado, uma parceria com o CME Group na qual passou a deter 2,18% de participação no patrimônio da CME Group, tornando-se o sétimo maior acionista da instituição. Em troca, o CME Group adquiriu 10% de participação na BM&F.