Ações de bancos sobem com possível alta nos juros

Expectativa dos analistas é de reajuste de 1,5 a 2 pontos percentuais na taxa Selic neste ano

A expectativa de alta na taxa básica de juros (Selic) nos próximos meses já está se refletindo nas ações de bancos negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Na tarde desta segunda-feira (7/4), enquanto o Ibovespa oscilava em campo negativo, os papéis das quatro instituições financeiras listadas na bolsa apresentavam alta.

Às 16h54, as ações do Banco do Brasil (BBAS3) subiam 1,05%, para 24,92 reais; as do Bradesco (BBDC4) iam a 34,80 reais, em alta de 2,74%; as do Itaú (ITAU4) tinham valorização de 1,21%, cotadas a 41,75 reais e as units do Unibanco (UBBR11) eram negociadas a 22,45 reais, em alta de 1,58%.

Em relatório, o HSBC ressalta que as pressões inflacionárias devem provocar reajuste de 1,5 a 2 pontos percentuais na taxa Selic neste ano, e o Itaú e o Banco do Brasil seriam as instituições melhor posicionadas para assimilar o impacto desta mudança. A instituição projeta um potencial de valorização de 24,8% para as ações do Itaú, que podem subir a 51,50 reais até dezembro. Já para o Banco do Brasil, a expectativa é de alta de 56,5%, com preço-alvo em 39,00 reais no final do ano.

O Unibanco, apesar de não estar tão bem preparado quanto os concorrentes, apresenta projeção de valorização das ações de 38%, podendo chegar a 30,50 reais no final de 2008. O papel está na lista dos mais recomendadas para compra do HSBC. Já para as ações do Bradesco, a instituição prevê a maior alta entre as ações de bancos – 76,7% -, com preço-alvo de 60 reais em dezembro de 2008.

Dados do Banco Central mostram que os bancos já iniciaram o processo de aumento das taxas cobradas em suas linhas de crédito, na tentativa de compensar o aumento de custos decorrente da elevação da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e uma possível alta na Selic.