Ações da Vivo sobem, apesar do prejuízo

Resultados do segundo trimestre foram melhores que os do mesmo período do ano passado

Apesar de ter anunciado um prejuízo de 59,5 milhões de reais no segundo trimestre, as ações da Vivo estão em alta na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) nesta quarta-feira (30/7). Às 10h22, os papéis preferenciais <a href="http://www.investinfo.com.br/abrilexame/Highlights.aspx?acao=VIVO4"><strong>(VIVO4)</strong></a> eram negociados a 8,27 reais, com valorização de 1,10% em relação ao último fechamento. As ações ordinárias <a href="http://www.investinfo.com.br/abrilexame/Highlights.aspx?acao=VIVO3"><strong>(VIVO3)</strong></a> subiam 2,84% para 10,12 reais.</p>

Os resultados da operadora, embora negativos, apresentam uma melhora de 8,6% em relação aos números do ano passado, quando foi registrado um prejuízo líquido de 65,1 milhões de reais. A margem de lucro antes do pagamento de juros, impostos, depreciação e amortizações (Ebitda) também ficou acima da contabilizada no segundo trimestre de 2007, passando de 22,6% para 23,2%. Em relação ao primeiro trimestre do ano, houve uma redução, porém, esse movimento já era esperado devido à forte atividade comercial entre os meses de abril e junho, decorrente das campanhas comemorativas do Dia das Mães e do Dia dos Namorados.

Outro dado que animou os investidores foi a receita líquida. A companhia elevou em 12,9% seus ganhos no período, passando de 3,359 bilhões de reais no segundo trimestre de 2007 para 3,791 bilhões de reais de abril a junho deste ano, em conseqüência do aumento de 19,4% em sua base de clientes. A companhia foi a que mais captou usuários – 2,1 milhões no trimestre – conquistando 30,4% de participação de mercado. Ao término do semestre, a empresa contabilizava 40,4 milhões de clientes.  

Na avaliação da corretora Brascan, a competição acirrada entre as operadoras de telefonia móvel deve continuar, especialmente após o lançamento do 3G e a entrada da Oi em São Paulo. A instituição – que prevê alta de mais de 60% para os papéis preferenciais da Vivo em 2008, com preço-alvo de 13,14 reais – não descarta a possibilidade de a operadora incorporar a Telemig, o que poderia proporcionar um prêmio para os acionistas da empresa de Minas Gerais.