Ações da Oi viram brinde em campanha da Toro Investimentos 

A corretora dará 100 ações da companhia telefônica para quem investir 1.000 reais em qualquer produto 

A corretora Toro Investimentos lançou uma campanha que dará 100 ações da Oi (OIBR3) para quem investir 1.000 reais em qualquer produto de renda variável, renda fixa ou Tesouro Direto. 

Em entrevista à EXAME, Rafael Panonko, analista-chefe da Toro Investimentos, afirmou que a campanha, que foi lançada nos últimos dias, é um sucesso. No total, são cinco lotes de ações disponíveis e o primeiro já está esgotado. “Além de incentivar a entrada de novos investidores, queremos mostrar que a bolsa é um investimento de longo prazo.” 

A promoção é válida apenas para os novos clientes e para quem nunca fez um investimento na Toro. Além disso, para receber as ações da Oi como brinde, o investidor deve ter o perfil moderado ou arrojado. 

Vale lembrar que a Oi entrou com pedido de recuperação judicial em junho de 2016 e de lá para cá vem apresentando prejuízo líquido nos balanços divulgados. No último trimestre do ano passado, o prejuízo registrado foi de 2,3 bilhões de reais ante uma perda de 3,3 bilhões de reais no ano anterior.  No ano, as ações da Oi acumulam queda de 40,69% na bolsa brasileira. Cada papel é vendido por 0,51 real. 

Valorização de 200% 

Apesar do mau desempenho, a equipe de analistas da Toro Investimentos acredita que as ações da Oi irão subir até 200% no longo prazo e a recomendação é de compra dos papéis. Entretanto, o analista acredita que a exposição em Oi na carteira de ações deve ser de, no máximo, 5%. 

Entre os pontos positivos a Oi, a Toro destaca que a companhia atua em todo o Brasil via concessões em telefonia fixa com a maior presença entre as operadoras. Portanto, pode usar sua rede para distribuir outros produtos de maior valor agregado.

Além disso, a Oi teve plano de recuperação judicial aceito pelos credores e reduziu sua dívida, dando novas oportunidades de reestruturação das contas. 

Outro ponto destacado é a possibilidade da venda de ativos que segura a posição de caixa até que a companhia saia da recuperação judicial e a possibilidade de fusões e aquisições após a aprovação do plano de recuperação judicial.

Pontos negativos

Mas os analistas também destacaram os pontos negativos da Oi, como a concorrência em banda larga fixa e a baixa atuação da companhia fora do eixo das grandes cidades, a rede de telefonia fixa muito abrangente no país, dado a sua concessão que vai até 2025, que pode ser ruim com a mudança no mercado saindo da demanda de voz e chegando hoje ao foco na comunicação em dados. 

Além disso, a Toro destaca que as empresas de telefonia concorrentes têm melhor saúde financeira e conseguem estar à frente da Oi em investimentos pesados, seja em telefonia móvel, seja em FTTH (fiber to the home — fibra para o lar).

Por fim, apontam a queima de caixa acontecendo de forma acelerada, que faz com que a venda de ativos seja essencial para a continuação dos investimentos da companhia.