Ações da OGX disparam com recomendação de bancos

JP Morgan melhora classificação dos papéis e Itaú estima valorização de 122% em 2008

Após dispararem 21,98% no pregão de ontem (18/8), as ações da OGX <a href="http://www.investinfo.com.br/abrilexame/Highlights.aspx?acao=OGXP3"><strong>(OGXP3)</strong></a><strong>,</strong> petrolífera do empresário Eike Batista, continuam subindo forte nesta terça-feira na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Às 12h59,  eram cotadas a 713,62 reais, valorizadas em 15,84% frente ao último fechamento.</p>

A corrida pelas ações acontece após os bancos JP Morgan e Itaú divulgarem relatórios ressaltando a atratividade dos papéis. O primeiro melhorou sua classificação enquanto o segundo enfatizou o bom preço. “Vemos uma relação risco-retorno muito interessante para os papéis da OGX e chamamos a atenção dos investidores para essa oportunidade”, escreveu o Itaú.

A instituição estima uma alta de 121,9% para as ações, que chegariam ao chegar o final do ano cotadas a 1367 reais. Na avaliação do Itaú, a desvalorização sofrida recentemente foi exagerada e, hoje, as ações da OGX estão muito abaixo do valor de suas concorrentes.  

Os papéis sofreram com a queda do petróleo, que já recuou mais de 20% desde a oferta pública inicial (IPO, em inglês) da OGX, mas também foram muito atingidos pela operação Toque de Midas. Deflagrada pela Polícia Federal no começo de julho, a operação investigava um suposto esquema de fraude envolvendo outra empresa de Eike Batista, a mineradora MMX. Apesar de não estar diretamente envolvida no caso, a OGX sentiu o impacto.  Entre 11 de julho, quando foi anunciada a operação Toque de Midas, e 15 de agosto, os papéis despencaram mais de 40%. A queda desde a estréia, em 13 de julho, chega a quase 60%.

De acordo com o Itaú, apesar da piora no quadro regulatório do setor de petróleo e gás no Brasil, os fundamentos da OGX mantêm-se os mesmo: sua reserva potencial continua existindo, a empresa está cumprindo seu cronograma de investimentos e a contratação de profissionais para desenvolver os projetos de exploração está sendo feita.

Foi apostando nestas premissas que os investidores fizeram do IPO da OGX o maior já realizado no mercado de capitais brasileiro. A companhia conseguiu levantar 6,7 bilhões de reais com sua abertura de capital, causando alvoroço na Bovespa. Em seu melhor momento, os papéis da companhia chegaram a ser negociados a 1363,99 reais, 21% acima do preço fixado na oferta pública inicial.