Ações da Bematech devem dobrar de valor, dizem corretoras

Para analistas, a empresa conseguiu ajustar o passo e deve crescer fortemente nos próximos meses

Com uma receita 33% superior à registrada no ano passado, a Bematech, empresa de automação comercial, surpreendeu os analistas e turbinou as projeções para suas ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). As corretoras estimam que os papéis da companhia (BEMA3) mais que dobrarão de valor até o final do ano, apesar da turbulência no mercado acionário.

A Ágora projeta uma valorização de 127,7% para as ações, que chegariam a dezembro cotadas a 16,23 reais. O Itaú é ainda mais otimista. Para a instituição, o forte crescimento no último trimestre e a política agressiva de aquisições devem fazer com que as ações saltem dos atuais 7,13 reais para 17,60 reais em dezembro – o que representa um ganho de 146,8%.

No primeiro semestre, a Bematech finalizou a aquisição da Snackcontrol, empresa de software para franquias de alimentação, anunciou a aquisição da Misterchef, do ramo de micro e pequenos restaurantes, e a incorporação da Logic Controls, empresa norte-americana de automação comercial. A companhia ainda mantém oito acordos de confidencialidade, a maioria no segmento de software.

Para os analistas, os bons resultados e a estratégia de expansão por aquisições demonstram que finalmente a empresa conseguiu ajustar o passo, saindo de um quadro de prejuízo para outro de crescimento sustentável. No segundo trimestre do ano passado, a Bematech registrou perdas de 14,3 milhões de reais, que segundo o presidente da companhia, Marcel Malczewski, foram decorrentes das despesas de cerca de 22 milhões de reais referentes à oferta pública inicial de ações. Neste ano, as ações da Bematech acumulam queda de mais de 20%, muito superior aos 13% de retração do Ibovespa.

Transição

O primeiro semestre foi marcado por uma fase de ajustes nas operações da Bematech, necessária depois dos tropeços iniciados dois anos atrás. Apenas quatro meses antes da abertura de capital, no primeiro semestre de 2007, a Bematech fez duas aquisições em software.

A primeira foi a GSR7, prestadora de serviços de tecnologia. A segunda foi a Gemco, especializada em software. Com as compras, o caminho estava aberto para atingir o objetivo de 300 milhões de reais de receitas anuais. A estratégia era clara, mas não resistiu ao teste da realidade.

“A Gemco deu um passo maior do que a perna”, diz Malczewski, presidente da Bematech. Com novos e grandes clientes – Shell, Magazine Luiza, Drogão, Supermercados Mambo, entre outros -, a empresa não conseguiu entregar o que prometera. Malczewski teve de tomar uma decisão drástica: fechou a unidade de software para balanço e simplesmente parou de vender.