10 novidades sobre o mercado que você precisa saber

Após desembarque do PP do governo, ministros próximos a Dilma já avaliam que batalha para mantê-la na presidência está "virtualmente" perdida

Confira as principais novidades do mercado desta quarta-feira (13):

PP anuncia desembarque do governo e pede entrega de cargos

O presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI), anunciou o desembarque do partido do governo Dilma Rousseff. Ele disse que orientou os indicados pela legenda a entregar os cargos que possuem no governo.

O anúncio foi feito após uma reunião do partido, da qual participaram 44 dos 47 deputados do PP. Desses, 31 votaram a favor do impeachment e 13 contra o impedimento de Dilma.

Para ministros, batalha para salvar Dilma está perdida

Os ministros mais próximos de Dilma consideram a batalha contra o impeachment virtualmente perdida, segundo a Folha de S.Paulo. Nem todos teriam desistido, mas estão pessimistas.

Segundo cálculos do próprio governo, ela teria agora no máximo 148 votos na Câmara. Faltariam 23 para conseguir barrar o impeachment.

OSX é condenada a pagar R$ 300 mil a Acciona

A OSX, empresa de produção de equipamentos de Eike Batista, foi condenada em primeira instância na Justiça do Rio a pagar R$ 300 mil ao grupo espanhol Acciona, segundo o Valor Econômico.

Além da multa, a Justiça determinou o arresto das plataformas OSX1 e OSX3, constituídas na forma de empresas independentes mas controladas pela OSX Leasing, que já teve falência decretada na Holanda.

TST adia julgamento de ação bilionária contra Petrobras

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) adiou o julgamento de ações coletivas movidas por funcionários da Petrobras que trabalham em áreas de risco e questionam o cálculo de suas remunerações.

O caso devia ter sido julgado ontem, mas o presidente do TST adiou a decisão por causa da hora e não informou quando o julgamento será retomado.

Relatório da Aneel mostra “farra” de gastos da ONS

Um relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) revela casos de desperdício de dinheiro, gastos indiscriminados e irregularidades cometidas pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Segundo O Estado de S. Paulo, o relatório mostra gastos de mais de R$ 2 mil em uma única refeição, mais de R$ 40 mil em sapatos, cintos, suéteres e meias em seis meses, entre outras despesas, custeadas pela tarifa da conta de luz dos consumidores.

BM estima que Brasil terá contração de 3,5% neste ano

As incertezas existentes no Brasil tornam “muito difícil” prever quando o país sairá da recessão em que mergulhou em 2014, avaliou nesta terça-feira, 12, Augusto de la Torre, economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe.

Além disso, há o risco de a turbulência política adiar a adoção de medidas fiscais que corrijam os atuais desequilíbrios, o que forçaria o País a realizar ajustes muito mais dolorosos no futuro.

Em seu relatório semestral sobre a região, a instituição estimou que a economia brasileira terá contração de 3,5% neste ano, uma previsão mais otimista que a do Fundo Monetário Internacional (FMI), que espera queda de 3,8%.

5 ações que deslancharam mais de 10% nesta terça-feira

Cinco ações das 61 que compõem o Ibovespa tiveram altas superiores a 10% nesta terça-feira (12). O índice ganhou 3,66%, a 52.001 pontos.

No geral, o mercado acionário local ganhou fôlego com as apostas de que o impeachment da presidente Dilma Rousseff vai ser aprovado no plenário da Câmara no próximo domingo, levando o processo ao Senado.

Patinho feio? Na contramão da Bolsa, Oi não sobe há 12 dias

Na contramão da Bolsa, as ações da Oi (OIBR4) não têm um bom ano. Os papéis preferenciais da companhia não registram alta há 12 pregões, acumulando perda de 24,4% no período. Em 2016, a baixa já chega a 52,3%.

Já o Ibovespa subiu 4,7% desde 24 de março e soma valorização de 20% no ano. Enquanto a maioria dos papéis da Bovespa se beneficiam das apostas em um eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff, a Oi sofre com fatores ligados a sua própria atividade.

Hedge funds abandonam apostas em alta do dólar

Os hedge funds estão perto de abandonar a melhor sequência do dólar em uma geração.

Grandes especuladores reduziram as posições líquidas no dólar ao menor nível em quase dois anos na semana passada. Se eles mantiverem o ritmo atual de cortes essas apostas estarão completamente eliminadas no fim do mês.

As opções cambiais estão sinalizando uma chance de menos de um em quatro de o dólar prolongar sua alta de dois anos, 25 por cento em relação ao euro em 2016, enquanto na comparação com o iene a probabilidade é de menos de um em 10.

CSN terá que investir R$ 178 milhões em novo acordo com Inea

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) assinaram nesta terça-feira, 12, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

Pelo documento, a siderúrgica terá que realizar investimentos de R$ 178 milhões em adequações ambientais na Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda, que devem estar concluídas até setembro de 2017. O órgão ambiental fluminense afirma que executou uma garantia bancária de R$ 13 milhões, no último dia 7, pelo descumprimento do TAC anterior.

O novo TAC obriga a siderúrgica a implementar um Plano de Ação com as 15 obrigações que não foram cumpridas em 46 itens previstos no TAC firmado anteriormente.