10 novidades sobre o mercado que você precisa saber

Credores da Odebrecht Óleo e Gás aceitam esperar pelas negociações de contratos de navios-sonda com a Petrobras

Confira as principais novidades do mercado desta terça-feira (31):

Parente é nomeado presidente da Petrobras, confirma estatal

O executivo e ex-ministro Pedro Parente foi nomeado presidente da Petrobras e membro do Conselho de Administração da estatal nesta segunda-feira, após a renúncia de Aldemir Bendine do posto.

Parente assume o cargo a partir desta terça-feira, dia 31, segundo informou a estatal em comunicado, mas a expectativa é que cerimônia de posse ocorra somente na quinta-feira.

O diretor de Recursos Humanos, Segurança, Meio Ambiente e Saúde e Serviços, Hugo Repsold Júnior, exercerá interinamente as funções de presidência da estatal.

Após áudio, ministro da Transparência pede demissão

O ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, enviou uma carta de demissão e telefonou na noite desta segunda-feira, 30, para o presidente em exercício, Michel Temer, e oficializou o seu pedido para deixar do cargo.

Temer, que até então vinha afirmando que o manteria na pasta, acatou o pedido. O conteúdo da carta ainda não foi divulgado.

A queda de Silveira acontece uma semana após o afastamento de Romero Jucá do ministério do Planejamento.

Investidores temem politização do ajuste

Depois do otimismo inicial com as medidas de ajuste econômico anunciadas pelo governo provisório de Michel Temer, investidores começam a se preocupar que o plano não vá adiante devido à interferência política.

O risco, que segundo o Valor Econômico está sendo chamado de “efeito Levy”, está na capacidade da operação Lava Jato de fazer estragos no governo, o que pode atrasar ou dificultar a implantação das medidas anunciadas.

Credores dão prazo indefinido à Odebrecht Óleo e Gás

Os credores da Odebrecht Óleo e Gás aceitaram esperar que a empresa negocie contratos com a Petrobras para depois receberem a dívida da empresa, equivalente a US$ 4 bilhões (cerca de R$ 14 bilhões).

A situação da empresa começou a se deteriorar depois que a Petrobras cancelou a contratação de um navio-sonda da companhia no ano passado; agora, as duas companhias estão renegociando o contrato de seis embarcações.

Fábrica de alfajor Havanna vai abrir o capital

A fabricante de alfajores Havanna anunciou nesta segunda-feira (30) que vai lançar ações na Bolsa de Buenos Aires. Os papéis vão representar até 17,5% do capital da empresa.

A operação, que foi aprovada pela CNV (órgão regulador do mercado de capitais argentino), segundo comunicado da companhia, visa financiar a estratégia de expansão da marca.

Aportes da BRF na Argentina chegam a R$ 1 bilhão

A produtora de alimentos BRF anunciou que vai investir US$ 292 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) na Argentina este ano, para expandir os negócios no país vizinho.

Parte da quantia já foi usada para a compra das empresas Campo Austral (por US$ 85 milhões) e Calchaqui (por US$ 105 milhões).

Fibria anuncia alta de preços em junho

A Fibria, maior produtora mundial de celulose de eucalipto, anunciou um aumento de preços válido a partir de amanhã, acompanhando o movimento das concorrentes.

Segundo o Valor Econômico, a tonelada de celulose vendida ao mercado americano custará US$ 870 para os Estados Unidos, US$ 550 para a Ásia e US$ 710 para a Europa.

Petroleiros marcam paralisação de 24h contra governo Temer

Os petroleiros vão cruzar os braços no próximo dia 10 de junho. A Federação Única dos Petroleiros (FUP) decidiu parar por 24 horas em protesto contra o governo do presidente da República em exercício, Michel Temer.

A federação cobre as principais unidades operacionais da Petrobras, como as plataformas da Bacia de Campos, onde são produzidos 80% do petróleo brasileiro.

Panasonic deixará de produzir telas de LCD, diz jornal

A Panasonic pretende interromper a produção de telas de LCD para televisões em sua fábrica em Hyogo, no Japão, até o fim de setembro, disse nesta segunda-feira o jornal Nikkei.

A fábrica Himeji, da Panasonic, emprega cerca de 1 mil funcionários, incluindo prestadores de serviços.

Arábia Saudita é melhor emergente para negócios, diz Citi

As privatizações planejadas pela Arábia Saudita, incluindo a venda de ações da maior petroleira do mundo, representam a maior oportunidade para os bancos de investimento nos mercados emergentes, segundo o Citigroup.

A implementação do plano do reino para reestruturar sua economia — conhecido como Visão 2030 — “poderia se traduzir em um filão fantástico para os bancos de investimento”, disse Omar Iqtidar, chefe de banco de investimento do Citigroup no Oriente Médio, em entrevista em Dubai. “Estamos vendo o impulso ganhar força e os céticos acreditarem cada vez mais na reestruturação”, disse ele.