10 notícias para lidar com os mercados nesta segunda-feira

Previsão dos analistas para inflação neste ano chega a 6,26%, aponta Focus; mercado está de olho nas pressões inflacionárias nesta semana

São Paulo – Aqui está o que você precisa saber:

1 – Agenda: IPC-Fipe, prévia de IGP-M e pesquisa Focus. As atenções do dia estarão voltadas para os indicadores de inflação locais a serem divulgados. Saem o IPC-Fipe e a primeira prévia do IGP-M. O Banco Central divulga a sua pesquisa Focus semanal, com projeções dos economistas para indicadores como inflação e juros. No calendário corporativo americano, a Alcoa publica resultados após o fechamento do mercado. No Brasil e na Europa, não estão previstas as divulgações de balanços que possam ter impacto nos mercados.

2 – Mercados: semana começa com bolsas em baixa e dólar em alta. Os juros futuros podem reagir à pesquisa Focus. O dólar, que fechou abaixo de 1,57 real na sexta- feira (8), sobe ante o euro e cai diante do iene. A maioria das bolsas cai após um terremoto de 6,6 graus atingir o Japão. Dados de inflação e atividade econômica no Brasil e nos Estados Unidos também podem influenciar os negócios na semana. Na China, dados da balança divulgados no sábado (10) vieram acima do esperado.

3 – Focus: previsão dos analistas para inflação neste ano chega a 6,26%. Os economistas do mercado financeiro elevaram novamente as projeções para a inflação oficial neste ano, de 6,02% para 6,26%, se aproximando do teto da meta (6,50%). O boletim Focus do Banco Central (BC), que colhe semanalmente as previsões de analistas de cerca de 100 instituições financeiras, registrou 17 altas nas estimativas de preços nas últimas 18 semanas.

4 – Inflação em SP acelera, alimentos e combustíveis pesam. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo avançou 0,48% na primeira quadrissemana de abril, após alta de 0,35% no mês de março, informou a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) nesta segunda-feira. Os preços do grupo Alimentação subiram 0,52%, acima da variação positiva de 0,09%.

5 – Análise: dólar deve seguir em queda, diz ex-presidente do BC. Alexandre Schwartsman, ex-diretor de assuntos internacionais do Banco Central, acredita que o real continue a se valorizar devido ao aumento dos preços internacionais das commodities e à fraqueza global do dólar. O que tem sido feito pelo governo não ataca a raiz do problema.

6 – NYSE rejeita proposta de compra de ICE e Nasdaq OM. O conselho da NYSE Euronext rejeitou por unanimidade a proposta de compra feita pela IntercontinentalExchange (ICE) e pelo Nasdaq OMX Group, afirmando que um acordo com as duas companhias possuiria um “risco inaceitável de execução”, criaria uma empresa com alto grau de endividamento e destruiria “um capital humano inestimável”.

7 – BHP Billiton planeja aquisição da Woodside Petroleum. A BHP Billiton está planejando a aquisição por 49,14 bilhões de dólares da Woodside Petroleum, maior exploradora de óleo e gás da Austrália, de acordo com a edição de sábado do Sunday Times. A matéria diz que a companhia está em negociações com a Royal Dutch Shell PLC (RDSB) sobre um acordo segundo o qual a BHP dará à Shell ativos que incluem o campo de gás de Sunrise em troca da participação de 24% da Shell na Woodside.

8 – Empresas chinesas decidem comprar 35 jatos da Embraer, diz jornal. Duas empresas chinesas, a China Southern e a Hebei Airlines, aproveitarão a viagem da presidente Dilma Rousseff à China para anunciar a compra de jatos EMB 190, fabricados pela Embraer, em resposta à reivindicação brasileira de vendas de maior valor agregado ao país asiático, informa hoje a reportagem do Valor Econômico.

9 – ADRs da Telesp são elevados para overweight pelo Barclays. A Telesp (TSP) teve a recomendação para seus ADRs (American Depositary Receipts) elevada de underweight (performance abaixo da média do mercado) para overweight (performance acima da média do mercado) pelo analista do Barclays Capital, Michel Morin. O preço-alvo por cada ADR é de 28 dólares. Na última sexta-feira, cada ADR da empresa terminou o dia cotado a 26,13 dólares na Bolsa de Nova York.

10 – Raymond James eleva preço-alvo para ações da BRMalls. Após incorporar a alta inflação, a taxa de juros e as recentes tendências para o setor de varejo no Brasil, a corretora Raymond James elevou para 22 reais o preço-alvo para as ações ordinárias da BRMalls (BRML3) até o final de 2011. O potencial de valorização é de 26%. O relatório assinado pelos analistas Guilherme Assis e Daniela Bretthauer destaca ainda que as ações da companhia estão atualmente sendo negociadas 10% abaixo do pico registrado em novembro de 2010.