TIM leva advertência do Conar após denúncia da Claro

Além do puxão de orelha, TIM terá de alterar anúncios que falam sobre exclusividade de serviços

São Paulo – A TIM levou uma advertência do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), além de ter de alterar um anúncio, depois que a Claro fez uma denúncia ao órgão, que acatou a reclamação.

O caso envolveu duas peças publicitárias – um filme para TV e um anúncio de internet -, protagonizados por Daniele Suzuki, em que a atriz fala sobre vantagens que só a TIM teria para donos de celulares pré-pagos da empresa.

A Claro entrou com uma representação no Conar alegando que a sugestão de exclusividade promovida nas frases das propagandas – “vantagens que só o Infinity tem” – não se verificam, já que a operadora denunciante teria promoções de natureza muito semelhante.

O Conselho de Ética da entidade, que se reuniu ontem, deu razão ao protesto da Claro, recomendando que a TIM altere os anúncios e não utilize a palavra “só”.

Como, de acordo com o Conar, um questionamento semelhante a esse já havia sido feito pelo órgão à TIM em outra ocasião, uma advertência foi emitida à operadora.

A TIM ainda pode recorrer da decisão.

Consultada por EXAME.com, a TIM afirmou por meio de nota que “ainda não foi oficialmente notificada da decisão do Conar e só irá se manifestar após conhecimento da íntegra do acórdão”.