Skol vai além do Youtube e estreia “novela social” no Facebook

Websérie se inspira em histórias reais que aparecem no ambiente de conversas da rede social

São Paulo – Pensou em conteúdo de vídeo de marcas, pensou no Youtube. Mas a Skol, pertencente à fabricante de bebidas Ambev, resolveu ir além da plataforma tradicional e explorar um projeto inédito de audiovisual: uma novela social que teve todo o seu conteúdo criado a partir de insights de um dos principais grupos do Facebook, o LDRV.

Apesar de fechado, o grupo tem mais de 430 mil membros e é de lá que saem muitos memes e histórias virais da internet. No grupo, as pessoas contam histórias e as mais populares viram as chamadas “tours”, daí o nome do projeto da Skol: “Tour das Tours”.

Para atender ao hábito de consumir conteúdo no celular, todo o conteúdo da social storytelling foi pensado para o formato digital e vertical. O primeiro episódio vai ao ar no dia 11 de outubro e serão ao todo 11 episódios.

A campanha, assinada pela F/Nazca, é fruto de uma parceria entre a Skol, o Facebook e a Endemol, produtora televisão, especializada em reality shows.

E traz as trajetórias de três personagens: Francis, Bela e Will. Cada um deles tem o sonho de emplacar na vida e na internet, mas nenhum conseguiu realizá-lo ainda.

“O conteúdo foge do enredo padrão, com mocinhos, mocinhas ou um vilão e tem um roteiro que se inspira na conversa real das pessoas. Ela traz os principais assuntos debatidos nesse grupo do Facebook, tudo passando pela trajetória dos três personagens”, diz Maria Fernanda Albuquerque, diretora de marketing de SKOL, que conversou sobre o formato com o site EXAME. Confira abaixo:

Por que a Skol decidiu associar sua marca a esse formato de comunicação (novela social) e o que espera ganhar com isso?

Atualmente, o maior desafio das marcas é criar um conteúdo relevante para o público e que não seja um anúncio ou uma interrupção daquilo que ele está fazendo. Por isso, SKOL está sempre em busca de algo que seja surpreendente para seus consumidores. Encontramos, nos Grupos do Facebook, um ambiente cheio de histórias, onde nascem muitos dos memes que viralizam na internet. E, junto com a plataforma e com o LDRV, nos tornamos a primeira marca a apostar nisso.

E por que escolheu trabalhar com o LDRV?

O Facebook está cheio de histórias que estão prontas para extrapolar as redes sociais, principalmente dentro dos grupos de discussão. E um dos maiores deles é justamente o LDRV, que tem mais de 400 mil membros. Queríamos conversar com esse público e encontramos o Facebook como parceiro, em um momento que a plataforma também está com campanhas abordando seus grupos e o potencial de conversa desses ambientes fechados.

É chegada a hora de as marcas irem além do Youtube? Por que?

O universo da internet é gigantesco e o consumo de conteúdo não pode ficar associado a apenas uma plataforma. O importante é entregar o que as pessoas estão esperando naquele ambiente e poder se adaptar – do ponto de vista de formatos, temas, abordagens – para cada um deles. Tour das Tours foi pensada com esse olhar.

Há diferenças na produção de social storytelling no celular, no Facebook, e no Youtube?

Sim. Normalmente o conteúdo no Youtube era apresentado sem muita preocupação se ele era assistido no celular, no tablet ou em um computador. Em “Tour das Tours” o Facebook nos ajudou a criar algo específico para o celular, que pode ser assistido em qualquer outra plataforma mobile, seja vertical, quadrado, horizontal, tudo pensado para estar na melhor forma na mão do consumidor, que é quem que decide onde e como assistir.

O público está cada vez mais exigente e responsável por definir o seu próprio horário nobre, então encontramos a maneira de participar das conversas sem interromper a programação normal de cada pessoa, onde quer que ela esteja com seu celular na mão e com conteúdo curto e dinâmico, como normalmente são os conteúdos da internet.

Outro diferencial é o fato de os personagens principais também viverem fora do enredo convencional. Cada um deles tem seu próprio perfil no Instagram e quem quiser, pode acompanhar a vida de cada um deles em paralelo ao desenrolar da história principal. Pelo celular, o espectador acompanha o ecossistema completo.