Nova campanha da Gillette mostra 1º barbear de um jovem transgênero

Anúncio vem poucos meses após campanha da marca contra "masculinidade tóxica" que irritou consumidores, e reitera posicionamento inclusivo

São Paulo – Um dos marcos da puberdade masculina é o crescimento da barba. Para um jovem que decide fazer a transição física de mulher para homem, o ato de barbear tem um valor ainda mais particular — imagine, então, com o apoio do pai. A Gillette, fabricante de lâminas de barbear e outros produtos de higiene pessoal, eternizou esse momento especial na vida de um adolescente trans em sua nova campanha internacional.

O anúncio de um minuto postado no perfil global da marca no Facebook mostra o rapaz transsexual de Toronto (Canadá) Samson Bonkeabantu Brown fazendo a barba pela primeira vez. “Enquanto eu crescia, sempre tentava descobrir que tipo de homem eu gostaria de ser, e ainda estou tentando descobrir que tipo de homem eu quero ser”, diz. “Eu sempre soube que era diferente. Eu não sabia que havia um termo para a pessoa que eu era. Eu comecei minha transição apenas querendo ser feliz. Estou feliz por estar no ponto em que sou capaz de me barbear”, acrescenta.

Ao seu lado está seu pai, que observa o filho com orgulho enquanto ele começa a se barbear. “Agora não se assuste, fazer a barba é ter confiança,  você está indo bem, você está indo bem”, incentiva.  O anúncio fecha com Brown dizendo: “Não sou eu apenas que estou em transição, todo mundo em torno de mim também está”.

O lançamento do anúncio ocorre alguns meses após uma ação da marca sobre “masculinidade tóxica”, que provocou uma reação violenta por parte dos consumidores. E vem em um momento delicado na política norte-americana, com investidas da administração Trump para reverter a proteção contra discriminação sexual para transgêneros nos serviços de saúde nos Estados Unidos.

Felizmente, muitos estão celebrando a nova ação como um gesto significativo de inclusão e que dá início às celebrações do orgulho da comunidade lésbica, gay, bissexual e transgênero no mês de junho.

“Nossa, Gillette, estamos todos emocionados aqui”, disse o grupo de defesa LGBTQ, a PFLAG National, no Twitter. Como a primeira e maior organização para pais de pessoas de #LGBTQ, agradecemos por olhar para nossas crianças trans… e por honrar seus pais afirmativos!”

Fundada em 1910, a marca fatura cerca de US$ 6,5 bilhões por ano e tem valor de US$ 17,1 bilhões. É uma divisão da Procter & Gamble desde 2005. Todos os anos, 750 milhões de homens e 200 milhões de mulheres usam lâminas Gillette ao redor do globo, segundo dados da empresa.