McDonald’s vence Burger King em briga por palhaço assustador

Campanha do Burger King de Dia das Bruxas do ano passado foi considerada imprópria pelo Conar

São Paulo – Após meses de batalha, o McDonald’s venceu o Burger King no Conar, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária.

O McDonald’s reclamava de uma campanha global do Burger King de Dia das Bruxas, “Scary Clown Night”, veiculada em outubro de 2017 e com passagem pelo mercado brasileiro.

A campanha dizia que pessoas que fossem fantasiadas de palhaço em um restaurante Burger King ganhariam hambúrguer de graça.

No vídeo, havia um palhaço assustador de cabelo vermelho e de roupa nas cores amarela, branca e vermelha. Muitos consumidores, assim como o McDonald’s, viram uma piada provocativa com o famoso Ronald McDonald. Começava aí a reclamação da marca.

Aberto o processo no Conar em dezembro de 2017, o primeiro resultado só saiu em abril desse ano: a favor do McDonald’s, que pedia a suspensão da campanha por aqui. O Conar concordou com a marca, que dizia que o comercial do concorrente, com um palhaço daqueles, denegria a imagem do mascote Ronald e o associava a elementos negativos.

Diga-se que o Burger King não citou nominalmente o mascote ou o McDonald’s e muito menos usou o logo do concorrente no vídeo.

O Burger King recorreu da decisão no Conar, dizendo que o palhaço não era paródia do McDonald’s, sim fazia referência ao palhaço Pennywise, do filme de terror “It: A Coisa”. Este também tem cabelo vermelho.

Agora, em julho, veio a decisão final após o recurso do Burger King e o Conar manteve a decisão favorável ao McDonald’s. O recurso ordinário Nº 276/17 foi julgado em 19 desse mês, com a decisão mantida: sustação da campanha por unanimidade. 

Confira a campanha que acabou suspensa no Brasil:

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ademir Amaral

    Interessante esta reportagem “McDonald’s vence Burger King e campanha sai do ar”!
    Sobre o texto da reportagem, duas perguntas:
    O CONAR utilizou mesmo o termo “DENEGRIR” como argumento em sua decisão a favor da McDonald’s?
    Será que o Conar, “uma instituição que fiscaliza a ética da propaganda comercial veiculada no Brasil”, não cuida dos termos utilizados em suas decisões?

  2. Pois eu digo: façam outra! Semelhança não é plágio,esse Conar não sabe a definição da palavra paródia e sempre decide a favor das maiores empresas.E palhaços são assustadores!