Marcas trocam influenciadores por memes engraçados no Instagram

Em uma nova tentativa de conquistar a cobiçada Geração Z, empresas como Uber e Netflix estão rindo de si mesmas em memes patrocinados no Instagram

Grandes marcas geralmente levam campanhas publicitárias muito a sério. Mas, às vezes, não. Em uma nova tentativa de conquistar a cobiçada Geração Z, empresas como Uber e Netflix estão rindo de si mesmas em memes patrocinados ou vinhetas engraçadas no Instagram.

As contas de memes compilam textos e imagens ou vídeos curtos que zombam de um símbolo cultural ou de uma ideia social. São engraçados, podem ser escolhidos por uma criança de 12 anos ou por uma agência de publicidade e acumulam milhões de seguidores. Os adolescentes adoram memes, e as marcas adoram os adolescentes.

“Como uma marca, se você é capaz de explorar esses memes realmente temáticos de uma maneira autêntica, acho que é uma ferramenta de fato poderosa para mostrar à Geração Z e millennials o que a marca deles representa, e também que somos uma marca que consegue entendê-los e seu estilo de vida”, disse Carrie Dino, diretora de mídia da agência de publicidade criativa Mekanism.

As contas de memes são uma maneira de as marcas alcançarem um público poderoso que não consome mídia da mesma forma que seus pais e avós. A Geração Z, entre 7 e 22 anos, é o maior grupo de consumidores do mundo, com poder de compra de mais de US$ 143 bilhões somente nos Estados Unidos. E, embora o Instagram continue sendo a plataforma social mais popular entre adolescentes, Dino disse que as contas de memes são uma das áreas que mais crescem no Instagram.

Empresas de tecnologia e aplicativos de namoro como Bumble e Hinge foram os primeiros a aproveitar o potencial dos memes para publicidade, mas marcas mais tradicionais, como JetBlue Airways e Budweiser, também compraram conteúdo patrocinado em contas de memes.

No passado, empresas que tentavam se conectar com jovens online recorriam a influenciadores do Instagram, geralmente pessoas bonitas que postam conteúdo aspiracional, para divulgar uma mensagem. Mas, embora o mercado de influenciadores esteja em expansão, de estimados US$ 5,5 bilhões em 2019 para US$ 22,3 bilhões em 2024, de acordo com um estudo da Markets and Markets, os influenciadores também passaram a ser vistos como não autênticos, especialmente porque os anúncios inundaram o site.