Existem dois tipos de millennials e eles são muito diferentes

Relatório do Google Brasil mostra as diferenças entre os dois tipos de millennials e por que as marcas precisam tratá-los de maneira distinta

São Paulo – Os millennials, também conhecidos como a geração Y, são aqueles nascidos entre 1979 e 1995. Quem veio depois disso já é considerado a geração Z (os centennials).

Mas, entre 79 e 95, há muita diferença, certo? Um jovem adulto nascido nos anos 80 não se comporta da mesma maneira que um jovem adulto nascido em 1990 ou 1991, por exemplo.

Um novo estudo do Google Brasil, feito pelo Google BrandLab de São Paulo, mostra que marcas precisam tratar os millennials com outros olhos.

Não dá para considerar todos os jovens consumidores dessa geração como uma massa única de gostos e comportamentos idênticos.

O estudo “Dossiê BrandLab: The Millennial Divide” mostra que há dois grandes grupos dentro dessa geração que merecem tratamento personalizado de empresas e marcas.

Aliás, entre esses dois sub-grupos há mais diferenças do que entre gerações: entre a geração X (nascidos antes de 79) e Y ou entre a geração Y e Z (pós 1995).

Momentos cruciais

Dois momentos e acontecimentos foram cruciais para a divisão desses grupos.

O primeiro fator: 2007 e a popularização dos smartphones. A partir disso, a sociedade passa a viver hiper-conectada, com acesso ilimitado à informação. A cultura da velocidade e do imediatismo também se propaga.

O segundo fator: a crise financeira mundial de 2008. Quem já estava no início da vida adulta nessa época conviveu mais com inflação, desemprego e pessimismo sobre a sociedade.

Os dois grandes grupos

Assim, surgem dois grandes grupos: aqueles que hoje têm entre 18 e 24 anos (young millennials) e aqueles que hoje têm entre 25 e 34 anos (old millennials).

Os Old Millennials

– Eles foram crianças e adolescentes nos anos 90 e não cresceram com acesso à internet, smartphones e apps. Viveram boa parte da vida sem internet.

– Foram pegos de surpresa pela crise econômica – assunto que não pensavam muito a respeito.

– Tendem a ser mais otimistas, colaborativos e flexíveis.

– Tendem a ser mais nostálgicos e se sentem adultos quando fazem coisas como varrer a casa e lavar a louça.

– Hoje, suas maiores preocupações e objetivos são coisas como mudar ou conseguir um emprego, viajar ao exterior, comprar uma casa ou apartamento e começar ou voltar a estudar.

– Eles se interessam mais em momentos de “pausa” e “detox” das tarefas para relaxar e buscam mais “life hacks” (dicas, macetes).

Os Young Millennials

– A infância e adolescência deles aconteceu nos anos 2000. Já nasceram em um mundo conectado à internet e desde a escola conheceram coisas como smartphones e redes sociais.

– Já conheceram o mundo com uma economia mais frágil.

– Tendem a ser mais realistas, questionadores e conscientes quando o assunto é finanças.

– Adoram a filosofia YOLO (You Only Live Once/Só Se Vive Uma Vez). 89% se identificam com esse estilo de vida.

– Tendem a ter menos paciência com “perda de tempo” como anúncios e comerciais.

– 4 entre 10 têm o diploma universitário como maior sonho.

O que os une

Mas em algum momento eles precisam se encontrar, correto? Afinal, são todos millennials.

Segundo a análise do Google, a vida com acesso à informação 24 horas por dia é o ponto comum.

Ambos os grupos buscam no acesso à cultura a sua principal fonte de educação, inspiração e entretenimento.