Exército da Suécia lança campanha em apoio à comunidade LGBTI+

"Não importa quando ou onde marchamos, sempre defendemos seu direito de viver da maneira que você quiser com quem você quiser", diz mensagem da campanha

São Paulo – A Suécia é considerada um dos países que mais garantem a igualdade de direitos para gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. O país descriminalizou a homossexualidade em 1944 e reconheceu as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo em 2009. Agora, o exército sueco também fez questão de deixar claro que defende todo tipo de identidade de gênero.

No mês em que o país recebeu o evento internacional Europride, que reúne espetáculos de arte, debates, seminários, música e muita festa, as Forças Armadas Suecas compartilharam nas redes sociais uma campanha em apoio aos LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, intersexuais e outras identidades de gênero e sexualidade não contempladas na atual sigla adotada representadas pelo “+”). 

No post, um homem e uma mulher devidamente fardados têm o rosto pintado com as cores da bandeira do movimento (roxo azul, verde, amarelo, laranja e vermelho), semelhantes às do arco-íris. E traz o dizer: “We don’t always march straight”. Ao pé da letra, significaria algo como “Nós nem sempre marchamos reto”, mas que na verdade é um trocadilho onde a palavra “straight” faz referência à heterossexualidade.   

E a mensagem continua: “Não importa quando ou onde marchamos, sempre defendemos seu direito de viver da maneira que você quiser com quem você quiser.”

 (Forças Armadas Suecas/)

 (Forças Armadas Suecas/Reprodução)

A investida segue uma campanha semelhante realizada  no ano passado, quando os militares suecos postaram uma imagem de um par de botas militares com cadarços na cor dos arco-íris. “Estamos preparados para percorrer todo o caminho”, dizia a legenda. “Seu direito de viver do jeito que você quer com quem você quer é o nosso dever de defender.”

Campanha das Forças Armadas Suecas de 2017 em apoio aos LGBTI+.

Campanha das Forças Armadas Suecas de 2017 em apoio aos LGBTI+. (Forças Armadas Suecas/Reprodução)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Eu não queria comentar, mas vou.
    Respeitar as diferenças não é o mesmo que influenciar com ideologia.
    A noticia é claramente tendenciosa. Já esta claro que essa e outras ideologias esquerdistas servem para subverter sociedades. Uma sociedade corrompida é uma nação fraca. Quem ganha com isso?
    Até mesmo o grupo Abril já está colhendo os frutos de suas ações, com uma séria crise financeira, por atuar com viés ideológico.