Comercial é acusado de tentar ‘fazer jovens virarem gays’

Consumidores na Austrália reclamaram de propaganda de chocolate

São Paulo – Um comercial causou polêmica na Austrália nas últimas semanas.

Algumas pessoas acusaram um comercial de “tentar fazer os jovens virarem gays“. A reclamação foi enviada ao Advertising Standards Bureau (ASB), o órgão australiano responsável pelas propagandas no país.

O comercial em questão é da Maltesers, marca de chocolates e doces, e se chama “Boyfriends”. A campanha é antiga e ficou no ar por anos no Reino Unido, por exemplo. Mas só chegou à Austrália agora.

No vídeo, dois casais assistem à televisão. Os dois rapazes dormem. As meninas, comendo os chocolates, resolvem brincar com os namorados e colocam os dois abraçados no sofá.

Isso foi suficiente para que muita gente enxergasse uma “apologia à homossexualidade”.

A reclamação foi registrada pelo ASB no dia 25 de março. Mas ontem (8), o órgão não aceitou as queixas.

Isso quer dizer que a propaganda pode continuar no ar e a Mars, responsável pelos Maltesers, não terá de fazer nenhuma mudança em seus anúncios.

O órgão citou um dos consumidores que ficaram indignados. A pessoa em questão disse:

“Achei muito ofensivo que, enquanto assistia à TV com meu filho, esse comercial com dois homens se beijando tenha tentado me vender chocolates – fazendo o mesmo que os comerciais de álcool e cigarro que tentam levar os jovens para essas coisas. Eu sinto que os homossexuais estão tentando fazer as pessoas se tornarem gays com esses anúncios”.

Mas não foram apenas reclamações sobre pessoas “ofendidas com a apologia” que surgiram.

Muitos acharam que o comercial estava ridicularizando os gays ao dizer que era engraçado ou servia ao propósito de “pegadinha” colocar dois homens em contato físico inesperado.

Uma das pessoas que se ofenderam por esse viés disse:

“Esse comercial é ofensivo porque continua a perpetuar a ideia de que ser gay ou ter uma intimidade entre amigos homens é algo a ser ridicularizado, algo passível de risos”. 

O ASB rejeitou as queixas. Sobre a preocupação com o “incentivo a ser gay”, disse que era uma interpretação altamente improvável.

Sobre a queixa sobre a “ridicularização dos gays”, disse que não viu no comercial nenhum sentimento depreciativo.

Já a empresa responsável pelo anúncio disse que a intenção do vídeo era ser “divertido” e “inocente” e que era inapropriado assumir qualquer coisa sobre a orientação sexual das pessoas do comercial apenas pelo abraço dos dois homens.

Veja o comercial: