Rádio lança campanha sobre corrupção

Objetivo da Rádio Estadão ESPN é mostrar que está atenta à sensação dos brasileiros de que a corrupção e a impunidade aumentam no país

A Rádio Estadão ESPN lança na segunda-feira a campanha  “A corrupção te incomoda?”, com o objetivo de mostrar que está atenta à sensação dos brasileiros de que a corrupção e a impunidade aumentam no país.

“A corrupção pode comprometer o desempenho econômico de um país, a partir do momento que afeta as decisões de investimentos e altera os orçamentos governamentais. Segundo estudo da Fiesp, ela custa ao país, hoje, cerca de 2% do PIB nacional. Queremos levar ao ouvinte informações sobre os vários tipos de corrupção e detalhar as perdas econômicas e morais para o Brasil e apontar o que poderia ter sido feito com esse dinheiro desviado. A proposta é também mostrar que a participação da sociedade civil é uma das ferramentas para acabar tem com esse tipo crime”, explica Filomena Salemme, editora-chefe da Estadão ESPN.

A campanha será feita totalmente dentro da programação da emissora e terá uma produção editorial, com informações, análises, denúncias e debates. 

Entre os destaques está participação fixa de um “especialista em corrupção”, profissional que entrará no ar toda segunda-feira para falar sobre os últimos casos e números da corrupção no país.


A cada semana, uma reportagem especial trará exemplos de como a verba pública é desviada nas esferas municipal, estadual e federal, sempre abordando um setor específico da economia, como Saúde, Educação, Habitação, Segurança Pública, Cultura, Sócio-ambiental, Esportes e Infraestrutura. 

A matéria, veiculada sempre as segundas-feiras em toda programação, mostrará como esse dinheiro poderia ter sido aplicado e as razões de não ter efetivamente acontecido. 

Nos dias seguintes, haverá chamadas na programação lembrando o setor em destaque naquela semana, com trechos da reportagem, com um convite para o ouvinte se manifestar por telefone, e-mail, site ou SMS. Na sexta-feira, um convidado, que poderá estar no estúdio da rádio, repercutirá todo do material apurado.

“A campanha poderá será ampliada, por exemplo, gerando um documento aberto. Neste momento nossa principal intenção é alertar e mostrar à sociedade o que de errado acontece em todos os segmentos da economia, indiscriminadamente”, assegura Acácio Luiz Costa, diretor-geral da emissora.