Apesar da crise, marcas aumentam investimentos em festivais de música

Do gigante Rock in Rio aos festivais regionais, as marcas que enxergam valor nos eventos aumentam os patrocínios e ativações

São Paulo — Os festivais de música têm os patrocinadores como importante fonte de faturamento.

Apesar da crise econômica brasileira, as marcas que enxergam sentido nesse suporte fortalecem seus investimentos.

É o que mostra a edição atual do Rock in Rio, que se inicia no dia 27 de setembro no Rio de Janeiro. Neste ano as receitas vindas de patrocínios do festival cresceram 30% em relação à última edição local, realizada em 2017.

Cerca de 70% das empresas que firmaram acordo de licenciamento de itens na edição anterior se mantiveram na edição atual. A estimativa de receita é em torno de 30 milhões de reais com a venda de 700 produtos no varejo.

“Na Cidade do Rock, as marcas possuem uma interação com o público ao longo dos sete dias de evento a partir de suas ações interativas. As pessoas querem receber os brindes e conhecer as ativações. Isso é uma relação de parceria”, diz Rodolfo Medina, vice-presidente de marketing do Rock in Rio e presidente do Grupo Artplan.

O desafio das marcas num festival que espera receber 700 000 pessoas é conseguir engajar. A marca de snacks Doritos, por exemplo, levará a diversidade como tema, com o produto Doritos Rainbow e a Guitarra da Diversidade, instrumento personalizado com a identidade visual da marca a ser tocado por Andreas Kisser, do Sepultura.

A diversidade também é tema da campanha do Itaú, patrocinador master do Rock in Rio. O filme mostra que a música pode ser uma ferramenta muito eficaz para transformar a vida das pessoas, ao fazer com que elas estejam abertas para o diferente, independente da origem, gênero, idade, religião e opiniões.

A Sony, pela primeira vez, com a marca Filtr patrociná um palco com 35 artistas da música nacional.

“O Rock in Rio tem como desafio a cada ano superar as expectativas e elevar o nível de experiência do público. E as marcas são parte fundamental disso”, afirma Rodolfo Medina.

Uma recente pesquisa da startup FLOW Creative Core em parceria com o pesquisador Derek Derzevic (USA) com 500 jovens de 14 cidades brasileiras revelou que 46% dos entrevistados acham interessante o posicionamento e investimento das empresas com música.

“Para as marcas, além de ser um bom investimento, a música é uma forma de se comunicar mais profundamente com o consumidor”, diz Juliana Laguna, co-fundadora da FLOW Creative Core.

Uma marca que encontrou no patrocínio de música um público relevante é a TNT Energy Drink.

Em 2019, a TNT tem participação em 160 eventos ao ampliar a cobertura de regiões para além da sudeste.

“Para o próximo ano temos alguns planos de expansão para regiões que são extremamente importantes para o consumo de bebidas energéticas no Brasil”, diz Eliana Cassandre, gerente de propaganda da TNT Energy Drink e Itaipava.

Além da TNT, outra marca do Grupo Petrópolis, a Itaipava investe em novidades no segmento. Neste ano, pela primeira vez, ela é responsável pelo festival de Som ao Sol em São Paulo, que traz à cidade alguns dos artistas que se apresentam no Rock in Rio, como Nickelback, Weezer e Black Eyed Peas.

O fortalecimento das marcas nos festivais de música independe do tamanho do evento. Um exemplo é o Oxigênio Festival, em São Paulo, que ocorreu entre os dias 13 e 15 de setembro com 39 artistas e 6 mil pessoas entre o público.

Com edição anual desde 2015, o Oxigênio tem entre os patrocinadores de bebidas as marcas Monster, Budweiser, Goose Island e Jack Daniel’s.

Atualmente as marcas representam 40% do faturamento do evento. As demais receitas são de ingresso e bar. E não é à toa. Desde a última edição, o patrocínio de bebidas aumentou em 20% e dos outros segmentos em 12%.

“As marcas aumentam o valor do patrocínio ao entender a identificação do público com o evento e, consequentemente, com seus parceiros”, diz Rafael Piu, fundador do Oxigênio.