5 comerciais que ironizam a magia do Natal

O Natal não é apenas compaixão, solidariedade, clima de festa e magia...

São Paulo – A alegria de receber presentes, as delícias da data na mesa, compaixão e solidariedade no ar, clima de festa com personagens e cenários ricos e encantados…

O que não faltam são motes para se trabalhar o natal numa campanha de comunicação. Se a fórmula parece simples, o complexo desafio está em driblar a mesmice e conseguir impactar o consumidor cansado do ver comerciais idênticos no período.

Mais difícil e corajoso ainda é subverter o tal espirito natalino com brincadeiras sacanas ou mesmo uma fina ironia relativa aos momentos superficiais ou efêmeros da data. Foi o que as campanhas abaixo fizeram.

Um presente diferente

Criar uma campanha de Natal para um site de conteúdo adulto parece um desafio no mínimo curioso. A data é tradicionalmente marcada pelas grandes reuniões familiares e por mais moderna que a sua família seja, a indústria pornográfica provavelmente não é o principal assunto entre um prato e outro.

Dê um tempo neste Natal

O slogan “Have a Break, Have a KitKat” já virou filosofia da marca de chocolates e está presente em todas as campanhas. Entretanto, os convites para uma pausa promovidos pela marca chegaram ao ápice neste Natal. O comercial de 30 segundos criado pela J. Walter Thompson não exibe nada além de uma tela branca. O break veiculado na TV traz uma narração criativa, que ironiza as campanhas natalinas.

Obama e Putin não merecem presente

O natal tem outro significado para o Greenpeace. Geralmente, a instituição aproveita a data festiva que atrai para si todos os holofotes para fazer uma crítica pesada, principalmente para falar sobre os problemas climáticos do mundo. No filme abaixo, o próprio ‘Papai Noel’ faz um apelo ao público, afirmando inclusive que “crianças” como Obama e Putin não merecem presente.

É tempo de trollar

Mais uma vez o comercial de John Lewis para o Natal emocionou o público, a exemplo do que aconteceu nos últimos anos. Isso não impediu, entretanto, que a concorrência não resolvesse dar uma trolada na campanha. Foi isso que a varejista Aldi fez. Com muito sarcasmo, a marca contou com a criação da McCann Manchester para produzir uma paródia do sucesso natalino da rival.

Grinch

Nesta série de vídeos abaixo, a empresa de sistemas antivírus Norton mostra a história de um vírus que roubou o Natal. O computador do Papai Noel, que possui a lista de presentes, foi infectado por uma ameaça que bloqueia a máquina e ainda exige um pagamento para que o usuário tenha seus dados de volta.