Conselho de Segurança alerta para ameaça do ebola à paz

A resolução foi adotada de forma unânime depois de Ban Ki-moon ter advertido que o número de infectados pelo ebola está duplicando a cada três semanas

O Conselho de Segurança da ONU adotou nesta quinta-feira uma resolução que classifica a epidemia de ebola como uma “ameaça à paz e à segurança internacionais”, e pediu que os países forneçam ajuda urgente para a luta contra o avanço da doença.

A resolução foi adotada de forma unânime depois de o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ter advertido que o número de infectados pelo ebola está duplicando a cada três semanas.

O Conselho ouviu o médico e voluntário humanitário liberiano Jackson Naimah, que fez um pedido desesperado de ajuda para o combate à epidemia que, de acordo com os últimos dados da Organização Mundial da Saúde, deixou 2.630 mortos na África Ocidental, de um total de 5.357 afetados.

“Por favor, enviem seus helicópteros, seus centros, seus leitos e seus especialistas”, disse Naimah em uma videoconferência em Monróvia.

“Não temos capacidade de reagir a esta crise. Se a comunidade internacional não se erguer, estaremos acabados”, acrescentou.

Em sua resolução, o Conselho declarou que o “alcance sem precedentes do ebola na África representa uma ameaça à paz e à segurança internacionais”, e advertiu que os “avanços em direção à paz (…) podem ser revertidos” na África Ocidental.

O documento pede que os países “forneçam assistência urgente, incluindo estruturas médicas deslocáveis, como hospitais de campanha” – com equipes e produtos necessários, laboratórios e clínicas -, e ajudem com o transporte aéreo.

O Conselho também pediu que os países suspendam as restrições impostas nas fronteiras e em relação às viagens, e exortou as companhias aéreas a manterem suas rotas nos países afetados.

Esta é a terceira resolução ligada a uma emergência de saúde a ser aprovada pelo Conselho em toda a sua história.

As anteriores foram para o combate à pandemia de Aids em 2000 e 2011.

A ONU estabeleceu como objetivo a contenção do avanço do ebola em um período de entre seis e nove meses, e está pedindo cerca de 1 bilhão de dólares para comprar materiais de saúde para África Ocidental.