Ataques matam soldados americanos e polonês no Afeganistão

Três membros da Isaf morreram quando um suicida detonou as bombas que levava em seu veículo no centro da capital afegã

Cabul/Washington – Três militares americanos e um polonês, membros das forças da Otan no Afeganistão (Isaf), morreram e outras 13 pessoas ficaram feridas em dois ataques ocorridos no país asiático, informaram nesta terça-feira fontes oficiais.

Três membros da Isaf morreram quando um suicida detonou as bombas que levava em seu veículo no centro da capital afegã no começo da manhã de hoje durante a passagem de um comboio da Isaf.

Outras 13 pessoas ficaram feridas nesse atentado, segundo disse à Agência Efe o porta-voz do Ministério do Interior, Sediq Sediqi.

O porta-voz talibã Zabiualah Mujahid assumiu a responsabilidade da ação em comunicado.

Fontes do Pentágono confirmaram que dois dos mortos nesse ataque são americanos, enquanto a terceira vítima é um sargento de origem polonesa.

Um outro membro das forças da Otan morreu pelos disparos de um homem que vestia um uniforme do exército afegão em um incidente ocorrido no oeste do país, informou a Isaf em comunicado. O Pentágono confirmou que a vítima também era dos EUA.

A Otan e o exército afegão iniciaram uma investigação sobre o incidente, que ‘não é considerado representativo sobre a relação positiva entre ambas forças’, ressaltou a Isaf em nota.

No último dia 5 de agosto, em um ataque semelhante, os talibãs conseguiram matar o general Harold J. Greene, militar americano de mais alta patente morto por fogo inimigo desde a Guerra do Vietnã (1959-1975).

Greene foi atingido por um soldado afegão, que disparou contra tropas nacionais e internacionais em Cabul durante uma visita de comandantes das forças afegãs e da Otan.

Essas ações são conhecidas no jargão militar como ataques ‘green on blue’ (verde contra azul), em alusão à cor dos uniformes das respectivas forças dos dois países.

Segundo dados fornecidos pelo portal independente ‘Icasualties’, morreram neste ano no Afeganistão 60 soldados da Otan, 43 deles americanos.

O Afeganistão atravessa um de seus períodos mais sangrentos depois que no ano passado as forças de segurança afegãs se tornaram responsáveis pela segurança do país, após a retirada paulatina da Isaf, que culminará definitivamente no final de 2014.

Além disso, o país asiático se encontra ainda em pleno processo eleitoral após as denúncias de fraude e se espera nos próximos dias que se anuncie o nome do novo presidente do país com vários meses de atraso.

Apesar da retirada da Otan, os Estados Unidos anunciaram que manterão cerca de 9.800 soldados em território afegão até o final de 2016.