Vinhos de Bordeaux terão safra ótima após verão excepcionalmente seco

Bordeaux continua sendo o ponto de referência para o mercado de vinhos finos devido à combinação de vinhedos de alta qualidade e produção grande

Os produtores de vinho de Bordeaux deverão ter uma safra “excelente” neste ano após uma temporada de cultivo com um calor incomum e um verão e uma colheita excepcionalmente secos, segundo Olivier Bernard, cuja família é proprietária do Domaine de Chevalier em Pessac-Léognan, ao sul da cidade.

“2018 foi uma safra com dois períodos”, disse ele em uma degustação de vinhos da safra 2016 organizada em Londres em 16 de outubro pela Union des Grands Crus de Bordeaux. “Um período muito úmido até o final de junho e muito seco depois de julho. Já podemos dizer que temos uma ótima safra.”

Bordeaux, que continua sendo o ponto de referência para o mercado de vinhos finos devido à combinação de vinhedos de alta qualidade e produção relativamente grande, é suscetível a oscilações climáticas, ao contrário das regiões vinícolas do Novo Mundo, como Califórnia, África do Sul e Austrália, que tendem a ter um clima mais confiável. Bordeaux representou 60 por cento das negociações no mercado de vinhos Liv-ex, com sede em Londres, em termos de valor na semana finalizada em 18 de outubro, e Champagne ocupou um segundo lugar distante, com 13 por cento, de acordo com o relatório Talking Trade, da Liv-ex.

Durante a última década, Bordeaux teve safras de qualidade excepcionalmente alta em 2009, 2010, 2015 e 2016, e uma série de anos notavelmente mais difíceis entre 2011 e 2013, sendo que 2013 é lembrado por ter sido particularmente frio e úmido. Os produtores de vinho entrevistados na degustação em Londres fizeram comparações entre a safra de 2018 e as safras de destaque recentes.

Final de temporada maravilhoso

“2016 foi melhor que 2015” e “2018 será melhor que 2016”, segundo Bernard Audoy, do Château Cos Labory, da região de Saint-Estèphe, no norte de Médoc. “Estamos no nível de 2009 e 2010, mais 2010 do que 2009”. Ele descreveu a safra como excelente após um “final de temporada maravilhoso”.

Alguns produtores sofreram com o bolor porque a primavera foi úmida, mas a maioria conseguiu resolver o assunto. Embora o bolor possa reduzir o rendimento em algumas áreas, Audoy disse que a chuva na primavera “não foi um problema”.

O consultor de vinhos Michel Rolland, entrevistado no dia 16 de outubro, durante uma visita a Londres, disse que 2018 foi “uma bela safra” para Bordeaux, mas acrescentou que houve muito bolor após o clima úmido da primavera, que às vezes provocou “condições difíceis” para as videiras. Os dados meteorológicos no site infoclimat.fr mostram fortes chuvas em janeiro, março e abril, e as condições de umidade persistiram durante maio, junho e julho, enquanto agosto e, em particular, setembro foram excepcionalmente secos, ideal para a colheita.

Agora que as uvas estão nas adegas, virão mais de cinco meses de fermentação, maturação e mistura antes que a safra seja apresentada ao mercado de vinhos, no começo de abril. Os preços dos vinhos serão definidos entre abril e junho, e entrega será realizada alguns anos após a colheita.