Um alfaiate para chamar de seu

Quem são os principais nomes da alfaiataria sob medida - e qual deles mais combina com o seu estilo

Ricardo Almeida

Tido como o alfaiate mais poderoso do país – costuma ser a primeira e última escolha de muita gente que chega a uma posição de comando -, Ricardo Almeida vende blazers que partem de R$ 2.463 e calças que começam em R$ 1.136. No ramo há 35 anos, o estilista desenvolveu um padrão de costume marcado pelo formato slim, o minimalismo e a lapela estreita. São peças em geral mais sóbrias, dada a preferência da clientela por três cores – preto, marinho e cinza -, embora ele não se negue a recorrer a tons mais vibrantes ou ao xadrez. ricardoalmeida.com.br

Ricardo Almeida Ricardo Almeida

Ricardo Almeida (Ricardo Almeida/Divulgação)

Ricardo Almeida Ricardo Almeida

Ricardo Almeida (Ricardo Almeida/Divulgação)

Alexandre Won

Advogado de formação, ele teve a ideia de criar sua alfaiataria sob medida depois de se ver obrigado a circular engravatado dia sim, dia também. Quando comprava um terno novo, chegava a exigir quase dez ajustes até se dar por satisfeito. Em atividade desde 2007, seu ateliê é frequentado por clientes ilustres como o ex-jogador de futebol Kaká e o apresentador Roberto Justus. Os costumes sob medida de Won, que custam a partir de R$ 10.000, em geral seguem o estilo clássico, alinhado a detalhes contemporâneos, e combinam calças mais folgadas, com pregas, e paletós bem justos. alexandrewon.com.br

Alexandre Won Alexandre Won

Alexandre Won (Alexandre Won/Divulgação)

Alexandre Won Alexandre Won

Alexandre Won (Alexandre Won/Divulgação)

Bruno Colella

A inspiração de Bruno Colella veio do avô, o italiano Nicola Colella, que começou como alfaiate e teve uma fábrica de roupas no bairro da Água Branca por 50 anos. A do neto, a BRNC, ocupa um galpão na Vila Nova Conceição, também em São Paulo. Formado em turismo e focado no atendimento, Bruno é auxiliado por uma equipe de alfaiates e costureiras. Seus costumes sob medida, que partem de R$ 8.500, também prestam tributo aos modelos clássicos, com um ou outro detalhe mais arrojado. Ele dá preferência a camisas e paletós mais acinturados, à lã fria e tecidos tecnológicos, xadrez ou não. E incentiva a clientela a mesclar peças – o blazer de um costume escuro com a calça de um modelo claro, por exemplo. brnc.com.br

Bruno Colella Bruno Colella

Bruno Colella (Bruno Colella/Divulgação)

Bruno Colella Bruno Colella

Bruno Colella (Bruno Colella/Divulgação)