TAG Heuer Carrera, o ícone de 5 décadas ganha novas peças em 2018

Traçamos uma linha do tempo com os lançamentos emblemáticos do cronógrafo mais vendido da grife suíça

TAG Heuer Carrera Heuer 02

 (TAG Heuer/Divulgação)

Com perdão do trocadilho, o relógio Carrera da TAG Heuer tem uma invejável carreira.

Sinônimo de Jack Heuer, bisneto do fundador da TAG Heuer e do homem que liderou a empresa como CEO por vinte anos (1962 a 1982), o modelo foi lançado em 1963 e há décadas, mais precisamente 55 anos, faz um tributo bem dirigido ao automobilismo.

A coleção recebeu o nome depois da lendária corrida Carrera Panamericana, dos anos 1950, e era pensada para pilotos. Segundo Jack, todo bom Carrera deveria respeitar sempre uma ficha técnica básica: mostrador aberto, para fácil leitura, resistência a choques e à prova d’água.

Na véspera do Baselworld 2018, maior feira de relógios do mundo, que acontece de 22 a 27 de março na Suíça, traçamos uma linha do tempo com lançamentos emblemáticos do cronógrafo mais vendido da grife. 

 

Carrera Heuer 02 (ano 2018)

TAG Heuer Carrera Heuer 02

 (TAG Heuer/Divulgação)

O mais novo membro da família Carrera chegará com todo gás na Baseworld. A TAG anunciou que apresentará 13 variações da peça: aço, cerâmica, ouro, carbono, pulseira de metal, borracha, couro… 

O DNA da marca está em disponibilizar opções mecânicas e automáticas.

Já as linhas inovadoras do Heuer são reconhecidas por sua caixa modular e seu painel de escala taquimétrica. Pontuado com indicadores e ponteiros luminescentes, o mostrador de tipo esqueleto —fundo em safira — será integrado a uma caixa modular de 43 mm de diâmetro estanque (100 metros de profundidade)

TAG Heuer Carrera Heuer 02

 (TAG Heuer/Divulgação)

Destaque para uma versão com função GMT e 45mm. 

Preciso e confiável como um Daniel Ricciardo, o movimento mecânico bate à frequênciade 4 Hz e possui autonomia de 80 horas armazenada em um único barrilete.

 

Carrera MikropendulumS (ano 2013)

TAG Heuer Carrera MikropendulumS

 (TAG Heuer/Divulgação)

Desafiando a gravidade, a TAG passou bons anos estudando ligas de metais e geometria para contornar o problema de temperatura e campos magnéticos nos pêndulos de suas peças. Em 2013 a empresa causou furor no mundo da relojoaria ao mostrar uma peça com o primeiro turbilhão duplo da história.

Esse sistema veio para substituir o balanço tradicional de um relógio, as “molas”. Imãs ganharam protagonismo nessa história, fazendo o movimento parecer um balanço e tirando literalmente o peso da gravidade.

 

Carrera Mikropendulum (ano 2013)

TAG Heuer Carrera Mikropendulum

 (TAG Heuer/Divulgação)

Sem dúvida, o relógio mais ambicioso da maison.

Estreou no mercado com o título de “turbilhão mais rápido da história”. O primeiro turbilhão em um relógio de 1/100 de segundo que pode ser iniciado e parado. A proposta era definitivamente arrojada, com dois turbilhões distintos, um para o relógio e outro par ao cronógrafo.

 

Coleção Carrera 1887 (ano 2010)

TAG Heuer Coleção Carrera 1887

 (TAG Heuer/Divulgação)

Ícone do bom gosto, a TAG decidiu levar mais elegância para o seu principal modelo esportivo buscando inspiração no passado. Uma forma luxuosa de celebrar o 150° aniversário da brand na época.

Em 2010 a relojoaria colocou o novo Calibre 1887 no Carrera. No séc. XIX, Edouard Heuer desenvolveu o pinhão oscilante, peça crucial, que servia para iniciar e parar o mecanismo do cronógrafo.

A coleção era classuda, com bisel de cerâmica com taquímetro ao redor do cristal de safira. . A caixa de 43 mm é de aço escovado e polido.

 

Grand Carrera Calibre 36 RS Caliper (ano 2008)

TAG Heuer Grand Carrera Calibre 36 RS Caliper

 (TAG Heuer/Divulgação)

Cronógrafo conceitual, o Grand Carrera veio para o mercado com o painel de um carro esportivo GT projetado por Ken Okuyama.

Um cristal de safira resistente a riscos com um acabamento anti-reflexo protege uma bela caixa de 43 mm de diâmetro. Falando em caixa, a parte traseira mostra a mecânica fina da unidade.

 

Grand Carrera (ano 2007)

TAG Heuer Grand Carrera

 (TAG Heuer/Divulgação)

Dentre asprincipais características, encontra-se o engenhoso “sistema rotativo” inspirado nos motores dos carros GT. 

Ele é acionado pelos exclusivos movimentos automáticos Calibre RS, a primeira linha mecânica de movimentos projetados com indicadores de sistema rotativo.

O modelo veio para coroar o projeto Dream Machines driven by generous hearts.

 

Carrera Calibre 360 Rose Gold (ano 2006)

TAG Heuer Carrera Calibre 360 Rose Gold

 (TAG Heuer/Divulgação)

Em 2006, a TAG Heuer lançou quatro modelos Carrera 360 de edição limitada — ouro branco, ouro rosa, aço inoxidável e PVD preto.

Os relógios marcaram um ponto de virada no desenvolvimento de movimentos internos, veja você, dentro da TAG. A linha inaugurou um complexo módulo de cronógrafo que atinge 360.000 vibrações por hora.

O ganhou mais fama foi o ouro rosa. Ele venceu categoria de melhor relógio esportivo no Grande Prêmio de Relojoaria de Genebra.

 

Carrera Chronograph — 1964 reprint (ano 1996)

TAG Heuer Carrera Chronograph — 1964 reprint

 (TAG Heuer/Divulgação)

Em 96 relança o Carrera na linha Classics da TAG Heuer. O enorme sucesso despertou o gosto pelos relógios vintage rememorando a década de 60. 

Nessa tocada veio a público, por exemplo, o Carrera Calibre 18 Telemeter Chronograph, com 39 mm e logotipo Heuer em vez de TAG Heuer, evocando as primeira edições da coleção.

 

Carrera Heuer 52 (ano 1969)

TAG Heuer Carrera Heuer 52

 (TAG Heuer/Divulgação)

A primeira geração do Carrera quebrou paradigmas com mecanismos de cronográficos de corda manual. Vale lembra do Carrera 12 Dato e Carrera Tachy.

Em 1969, no entanto, chega o mecanismo cronográfico automático, conhecido como “Chronomatic”. A tecnologia revolucionou o mercado e como consequência passou a equipar a segunda geração do Carrera, começando pelo 52, e outros relógios da grife.

 

Evolução do Carrera (ano 1965)

TAG Heuer Evolução do Carrera

A TAG aperfeiçoou aperfeiçoou o seu modelo original com a incomum adição de data digital. Este foi primeiro cronógrafo de pulso a carregar a novidade. 

 

Carrera (ano 1963)

TAG Heuer Carrera

 (TAG Heuer/Divulgação)

O pai de todos os Carrera. Com um design baseado na extrema clareza e legibilidade, tornou-se rapidamente o mais vendido da brand no mundo.

A simplicidade do mostrador, sem telemétrica e taquimétrica, contribuiu para o enorme sucesso.

A inspiração como falamos lá no começo do texto, vinha das pistas — o painel de instrumentos dos carros de competição virou a principal referência.

O movimento da caixa de 36 mm contava com uma reserva de corda manual de 46 horas, 17 rubis e batia a 18 mil alternância por hora.