Shakira dá aula de requebrado e conquista plateia do Rock in Rio

Ivete Sangalo e Lenny Kravitz também se apresentaram na noite de sexta-feira

Rio de Janeiro – Escalada como a atração principal desta sexta-feira, Shakira abusou do seu famoso movimento de quadris e do timbre exótico para contagiar a plateia do Rock in Rio, que também viu em sua quinta noite de shows Marcelo D2, Jota Quest, Ivete Sangalo e Lenny Kravitz.

Esbanjando simpatia, a colombiana interagiu com o público durante todo o show, que durou pouco menos de duas horas. A abertura correu por conta de “Estoy Aquí”, grande sucesso de seu início de carreira.

Logo no início da apresentação, a musa colombiana disse em português perfeito: “sou toda de vocês, estou aqui para satisfazê-los”. E foi o que aconteceu. Abusando de sua sensualidade, Shakira não parou de dançar e desfilou quase todos os seus maiores sucessos – mesmo pedida pelo público, “Rabiosa” ficou de fora. Destaque para “Gypsy” e “Loca”, que foram muito aplaudidas.

Durante “Whenever”, Shakira chamou seis fãs ao palco para ministrar uma aula de requebrado. O resultado, claro, foi perfeito, e a colombiana ainda deixou as jovens cantarem o refrão da música.

Em sua volta para o bis, Shakira chamou a “rainha” Ivete Sangalo para cantar “País Tropical” e levantar o público. O detalhe foi que a colombiana cantou a música de Jorge Benjor em português. Depois, a pop star executou “Hips Don’t Lie” e “Waka Waka” – quando fez uma referência à Copa do Mundo do Brasil, em 2014 – para sair do palco ovacionada e com o sentimento de dever cumprido.


Antes de Shakira, Lenny Kravitz passara pelo Palco Mundo sem deixar saudade. Depois de atrasar mais de 30 minutos, o que gerou irritação na plateia, o cantor americano fez uma apresentação morna, que não conseguiu contagiar.

Kravitz só conseguiu maior resposta do público quando executou “It Ain’t Over till It’s Over”, “American Woman” e “Fly Away”. No fim do show, o americano se enrolou em uma bandeira do Brasil e desceu para interagir com a plateia, o que permitiu a ele finalizar sua apresentação com os aplausos que faltaram durante os cerca de 90 minutos em que esteve no palco.

A honra de abrir os trabalhos no Palco Mundo nesta sexta-feira foi de Marcelo D2, que revisitou músicas do Planet Hemp, sua ex-banda, e mandou o público “fazer barulho” com sucessos como “Qual É”, “Vai Vendo” e “1967”.

D2 deixou a plateia bem aquecida para os mineiros do Jota Quest. Liderada por Rogério Flausino, a banda fez um show repleto de sucessos, que foram cantados em coro. Em uma apresentação enxuta, “Só Hoje”, “Na Moral” e “Do Seu Lado” se destacaram.

Na sequência, foi a vez de Ivete Sangalo subir ao palco e confirmar a condição de talvez a artista brasileira mais famosa da atualidade. Ainda que tenha sido prejudicada pela desconfiança do público com a escalação de seu axé em pleno festival de rock, a baiana fez uma apresentação correta e esbanjou carisma.

No fim, Ivete transformou o Rock in Rio em uma grande micareta com “Festa”, “Poeira” e “Sorte Grande”, entre outras músicas. O ponto alto da apresentação, porém, foi a releitura de “More Than Words”, do Extreme, quando a cantora mostrou seu talento ao violão. EFE