Rafinha Bastos agora é processado pela Apae

Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de São Paulo pede que o humorista tire de circulação o DVD 'A Arte do Insulto', que contém piada sobre deficientes mentais

Condenado em primeira instância a pagar 100.000 reais a Wanessa Camargo, alvo de uma piada de mau gosto sua, o humorista Rafinha Bastos vai responder em breve por outro processo. A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de São Paulo (Apae São Paulo) entrou com pedido de liminar no Ministério Público para que seja proibida a circulação e a venda do DVD A Arte do Insulto e também exige o pagamento de indenização por danos morais no valor de 200.000 reais. A ação se refere a uma piada em que Rafinha conta ter internado seu pênis na Apae depois de usar um preservativo com efeito retardante.

De acordo com o advogado Paulo Ricardo Gois Teixeira, representante da entidade, a ação visa preservar sua imagem e proteger os direitos dos deficientes mentais. “Não é admissível existir esse tipo de preconceito contra os deficientes mentais após um longo trabalho de inclusão social dessas pessoas”, diz. Procurada, a advogada de Rafinha, Thais Colli, afirma ainda não ter sido notificada dessa ação.

Nesta terça, foi divulgada a decisão judicial que dá ganho de causa à cantora Wanessa Camargo e Marcus Buaiz em processo movido contra Rafinha Bastos em outubro. Na ocasião, o humorista disse, na bancada do CQC, que comeria a mãe e o bebê em referência às imagens de Wanessa Camargo grávida exibidas no programa. A piada sem graça culminou na saída de Bastos do humorístico. Rafinha Bastos vai recorrer.