Produtor de ‘Xingu’, Fernando Meirelles questiona modelo de progresso do país

Fernando Meirelles destacou a atualidade da temática do filme em um país que debate a reforma do Código Florestal

Manaus – Os criadores do filme ‘Xingu’, que aborda a luta pela preservação da cultura indígena na Amazônia, questionaram nesta sexta-feira o modelo de desenvolvimento e uso dos recursos naturais no Brasil.

Em entrevista coletiva na cidade de Manaus, o produtor Fernando Meirelles destacou a atualidade da temática do filme em um país que debate a reforma do Código Florestal, polêmico projeto de lei que propõe a extensão de terras cultiváveis e que é rejeitado por ecologistas.

Além disso, criticou a represa de Belo Monte, que começou a ser construída em março no rio Xingu. ‘Para mim o problema desta usina e das que virão em seguida é que trazem um progresso para o qual não estamos preparados, trazem um crescimento violento e desordenado’, disse.

Na opinião de Meirelles, a energia gerada pela hidrelétrica, com um máximo de 11.233 megawatts de potência, servirá para ‘alimentar a indústria da celulose, do aço e do alumínio’.

‘Eu não considero saudável esse tipo de progresso’, comentou o diretor, destacando que se trata de seu ponto de vista pessoal.

O filme ‘Xingu’, que estreou ontem na abertura da oitava edição do Amazonas Film Festival, conta as aventuras dos irmãos Claudio, Orlando e Leonardo Villas-Bôas durante uma expedição para proteger índios – que culminaram na criação do Parque Nacional do Xingu.

Com um custo de R$ 15 milhões, o filme foi muito bem recebido pelo público do festival.


O diretor Cao Hamburger disse que além de contar a história dos Villas-Bôas, uma das principais motivações do relato foi ‘a atualidade e a importância’ do tema do filme.

‘Nós estamos escolhendo que tipo de progresso queremos no Brasil. É um modelo antigo, não sei se é errado, mas é velho, baseado na Revolução Industrial’, declarou Hamburger.

O diretor acrescentou que durante a fase de pesquisa para o filme, que durou um ano, pôde comprovar o elevado grau de preconceitos que os brasileiros têm em relação aos povos indígenas e expressou sua esperança em que a presidente Dilma Rousseff veja e goste do filme. EFE