Pouco conhecido, este país deveria entrar na lista de destinos imperdíveis

Para muitos turistas, a robusta história cultural é o que faz deste lugar um destino tão atraente

Dar de comer a hienas com as próprias mãos. Visitar igrejas subterrâneas esculpidas em rocha. Observar lobos em uma das montanhas mais altas da África. Até mesmo para os viajantes mais antenados, talvez seja uma surpresa que a Etiópia, um país sem litoral, ofereça atrações tão diversificadas e únicas.

A Etiópia avança rumo a um futuro moderno e brilhante. É uma das economias que mais crescem no mundo; a capital, Adis Abeba, se expande em ritmo alucinante; e o partido governante recentemente colocou no poder o líder mais jovem do continente.

Mas, para os turistas, a robusta história cultural é o que faz do país um destino tão atraente.

Por um lado, é o lugar originário do café: o arábica é cultivado aqui desde pelo menos o século 10. Depois, tem a diversidade de grupos étnicos – mais de 80 no total – que vivem de acordo com os ritmos de um único calendário Ge’ez e cujos ancestrais na Etiópia se estendem por pelo menos 3.000 anos. Além disso, o país foi apelidado de “berço da humanidade” depois que o fóssil de um hominídeo conhecido como Lucy, de 3,5 milhões de anos, foi descoberto em sua região leste.

“Uma visita a esta terra incrível é como entrar nas páginas do Antigo Testamento”, disse Nicola Shepherd, diretor da Explorations Co., que recebe turistas exigentes no país há mais de um quarto de século. “É diferente de qualquer outro lugar da África.”

Festival Timkat

Festivais frequentes e vibrantes como o Timkat em janeiro – durante o qual a comunidade ortodoxa etíope mergulha em águas purificadas para celebrar o batismo de Cristo – são surpreendentemente acessíveis para os visitantes. Eles também oferecem uma maneira de entender a diversidade do país. Meskel, que ocorrerá no dia 27 de setembro neste ano, comemora a descoberta da “verdadeira cruz” de Cristo com uma noite de dança ao redor de fogueiras gigantescas no centro de cidades, aldeias e casas. E o Irrecha, que chega no outono e na primavera e é semelhante ao Dia de Ação de Graças dos EUA, inspira milhares de membros da comunidade Oromo a dançar com roupas tradicionais coloridas perto de seus locais sagrados.

Harar

Uma cidade fortificada no Reino de Harar, construída como um labirinto para impedir ataques de forasteiros, remonta ao ano 940. Ao contrário de cidades e aldeias no norte da Etiópia, a cultura e a arquitetura de Harar são islâmicas; seus habitantes foram uns dos primeiros a adotar a religião, e Harar é considerada a quarta “cidade sagrada” do Islã, depois de Meca, Medina e Jerusalém. Originalmente, ela tinha 99 mesquitas, das quais 82 permanecem intactas. O apelo de Harar vai além da religião: é um lugar para conhecer a cultura colorida e amigável da Etiópia. Mulheres trajando vestidos de cores vivas equilibram cestas de mercadorias na cabeça, indo e voltando do mercado. À noite, um “homem da hiena” percorre a cidade, permitindo que os visitantes alimentem seus gatos selvagens com as mãos.

Culinária afetiva

Mais do que o que você experimentou em restaurantes etíopes em todo o mundo, a culinária local não é apenas apimentada e deliciosa; é uma parte fundamental do tecido social da Etiópia. Guisados vegetarianos e veganos, acompanhados por um pão fino chamado “injera”, normalmente são servidos em comunidade, compartilhados com familiares e amigos. Se seu anfitrião tentar lhe dar comida com as próprias mãos, é um sinal de afeto.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. arthur bezerra

    Isso é muito relativo. Passei duas semanas em Londres e achei a cidade uma porcaria. Não volto lá nunca mais.