Pininfarina deixa um legado de grandes carros

Sergio Pininfarina morre aos 85 anos depois de fazer história na indústria de carros como seu mais criativo designer

São Paulo – Qualquer um que tenha um mínimo de interesse por carros, reverencia a grife Pininfarina. O dono desse nome é Sergio Farina, o designer mais famoso do mundo, criador, entre tantos carros, da Ferrari Testarossa — o estado da arte de um veículo de quatro rodas — que faleceu nesta quarta-feira aos 85 anos.

Sergio deu continuidade à empresa fundada por seu pai, Battista “Pinim” (que em italiano quer dizer “pequeno”) Farina — Società Anonima Carrozzeria Pinin Farina. A história da empresa está associada intimamente à indústria de carros, graças, principalmente, ao talento criativo de Sergio Pininfarina.

O Grupo Pininfarina, hoje conduzido por seu neto Paolo Pininfarina, tem mais de 3 mil funcionários distribuídos em subsidiárias da empresa em toda a Europa, além de Marrocos e China. Embora a criação mais famosa de Pininfarina tenha sido a Ferrari Testarossa, seu trabalho envolve outras atividades.

Na verdade, em 2010 a Ford e a Alfa Romeo deixaram de operar com o escritório do designer, obrigando-o a voltar seus negócios mais para a engenharia e desenvolvimento de carros elétricos. Apesar disso, Sergio Peninfarina é celebridade da indústria do carro em todo o mundo e, principalmente, na Itália, onde é conhecido como o “artista de carros”.

Carros que são referências no mundo todo passaram pelas mãos desse italiano de Turim. Ele assinou alguns dos modelos mais célebres de marcas tanto da Europa como dos Estados Unidos — como Peugeot, e Bentley, Rolls-Royce, Volvo e Cadillac. E são de sua autoria o design de algumas pérola italianas, todas ligadas à Fiat, como a Maserati e o Alfa Romeo.