Pearl Jam celebra 20 anos de carreira com shows em SP

Serão cinco megashows da banda grunge em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre

São Paulo – Pare e inspire fundo. Em algum momento, o cheiro de naftalina invadirá os pulmões. Os ares de 2011 são perfumados com esse sentimento de nostalgia dos anos 90. Os ventos soam barulhentos, com guitarras carregadas de distorção e vozes raivosas. Os shows dos gigantes do grunge Pearl Jam, nas noites de hoje e amanhã, às 20h45, no Morumbi, vêm para coroar o ano em que as camisas de flanela e suas estampas xadrez saíram de vez dos armários e estão para todos os lados – basta prestar um pouco de atenção ao redor.

A turnê que traz Eddie Vedder e companhia não é uma qualquer. Trata-se da comemoração dos 20 anos de carreira da banda que tem a marca de 60 milhões de discos vendidos, iniciada com o lançamento do antológico “Ten”, em agosto de 1991. Serão cinco megashows em São Paulo, Rio de Janeiro (dia 6), Curitiba (9) e Porto Alegre (11). A princípio, o grupo tocaria no Morumbi apenas uma vez (amanhã), mas como os 68 mil ingressos se esgotaram em um dia, foi aberta uma nova data (hoje), ainda com bilhetes disponíveis.

Baseado nas duas últimas apresentações em São Paulo, em 2005, daqueles que já foram um punhado de arruaceiros de Seattle e hoje formam um quinteto de no mínimo quarentões, os fãs terão um espetáculo e tanto pela frente. A banda, conhecida por variar seu set-list a cada apresentação, deve trazer surpresas. À época, foram dois shows arrasadores no Pacaembu, para 31 mil pessoas, com direito a homenagens a Ramones, MC5 e até Beatles.

Tomando como base as últimas apresentações do grupo neste ano, então, é possível tentar antecipar algumas atrações, como um provável cover de “Search and Destroy”, dos Stooges, e a sempre presente “Rockin’ In The Free World”, de Neil Young. “Even Flow”, “Alive”, “Last Kiss”, “Do The Evolution”, “Better Man”, clássicos obrigatórios, devem ser mesclados entre as apresentações.

Pode-se esperar tudo de Eddie Vedder (voz e guitarra), Mike McCready (guitarra solo), Stone Gossard (guitarra base), Jeff Ament (baixo) e Matt Cameron (bateria). Desde 1991, o Pearl Jam tem conseguido trazer o som já visceral dos estúdios para os palcos. Vedder, que quando entrou no grupo era um surfista tímido de 25 anos, logo tornou-se um monstro dos palcos, fazendo macaquices – com direito às tradicionais escaladas nas estruturas dos palcos -, e, claro, com um vozeirão potente. Eles podem estar mais velhos, mas seus shows são famosos por muita barulheira.

A comemoração pela segunda década de carreira foi iniciada com o lançamento do documentário “Pearl Jam Twenty”, dirigido por Cameron Crowe e recém-lançado em DVD. Com imagens raras e inéditas, o longa se propôs a descobrir a fonte do sucesso do Pearl Jam. Em vão, é verdade, mas o documentário, rico em gravações e entrevistas, é indispensável a qualquer fã que se preze – principalmente os que estarão no Morumbi, com camisetas xadrez. As informações são do Jornal da Tarde.

Pearl Jam – Estádio do Morumbi (Pça. Roberto Gomes Pedrosa, s/n). Tel. (011) 4003-5588. Hoje e amanhã (ingressos esgotados), às 20h45. R$ 190 a R$ 380.