Partida entre jornais franceses e argentinos tem desfecho “monumental”

E outras curiosidades da Copa: a "tietagem" de Griezman, o voo dos familiares dos jogadores espanhóis e o motivo do apelido "Donatello" de Mbappé

Notícias curiosas ou divertidas registradas pela AFP durante a Copa do Mundo da Rússia-2018:

Uma calada Monumental

O jogo à distância entre as capas de jornais esportivos da Argentina e França finalmente teve um desenlace “Monumental”.

O primeiro dardo foi jogado pelo francês L’Equipe, que antes do França-Argentina publicou uma foto de Leo Messi rodeado por cinco jogadores ‘Bleus’ e o título “Não passará!, em espanhol. O argentino Olé respondeu usando uma imagem idêntica, mas a frase dizia “Passará!”.

Após o duelo em Kazan, que acabou com a vitória francesa por 4-3, com uma atuação magnífica de Kylian Mbappé, o L’Equipe saiu este domingo com uma foto do abraço de gol entre o ás do PSG e Antoine Griezmann, com uma bandeira argentina com a cara de Maradona no fundo e um título com certas alusões: “MONUMENTAL”.

Assim foi a atuação de Mbappé, autor de dois gols e que sofreu um pênalti, mas é também o nome do estádio do River Plate, usual casa da equipe azul e branca, além de ter sido palco daquele duelo do Mundial-1978 entre Kempes e Platini com êxito sul-americano (2-1). Outra vez rápido, Olé aceitou a derrota e também que tenham lhe ‘tapado a boca’: “Nos deram uma calada Monumental”.

37 km/h

Kylian Mbappé ganhou um novo apelido: “O 37”. Assim explicou seu colega Florian Thauvin neste domingo, contando que lhe deu esse apelido após ver que o colega chegou a 37 km/h em uma corrida durante a vitória 4-3 sobre a Argentina.

“Fez uma corrida de 50 metros para conseguir um pênalti, era como se tivesse ido em moto. É incrível”, indicou o atacante.

O vestiário dos Bleus é um lugar propício para os apelidos. O próprio Mbappé, que surpreende por sua maturidade com apenas 19 anos, é chamado por alguns de “Donatello”, em referência à mais intelectual das Tartarugas Ninjas.

Outro apelido que teve sucesso desde a vitória sobre a Argentina é o de “Mark Lenders” para o lateral Benjamin Pavard, em alusão a um personagem de desenho animado da série “Supercampeões: Oliver e Benji, conhecido por seus gols espetaculares. Como o que o jovem jogador do Stuttgart conseguiu com um voleio ante os argentinos.

Um favor para um amigo

Antoine Griezmann foi no sábado ao vestiário da Argentina depois da vitória 4-3 dos franceses, pelas oitavas de final do Mundial. O motivo era um assunto pessoal, que ele mesmo explicou à Televisão Pública argentina: “Tenho um amigo que é fã de Kun (Sergio Agüero). Vou ver se ele troca de camiseta comigo, quero dá-la de presente”.

De craque para craque e de um ídolo do Atlético para outro, já que o argentino vestiu também as cores do time ‘colchonero’, onde ‘Grizou’ é a atual estrela.

Um prêmio amargo

A Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) organizou um voo para acompanhar no estádio o jogo da ‘Roja’ neste domingo contra a Rússia em Moscou, no que se anunciava como um jogo de festa e acabou sendo o funeral da equipe de Fernando Hierro no Mundial.

Nesse voo estavam familiares dos jogadores, entre eles o campeão mundial brasileiro em 1994 Mazinho e seu filho Rafinha, pai e irmão respectivamente de Thiago Alcántara, mas também outros convidados.

Todos eles viajaram com muito otimismo, sem imaginar que assistiriam ao naufrágio de seu time ante uma seleção que é a 70ª do mundo no ranking Fifa, sessenta postos abaixo dos espanhóis (10º).