Padilha rebate críticas a série na Netflix: “esquerda precisa acordar”

Cineasta defende a série "O Mecanismo" e diz que esquerda deve acordar do estupor ideológico e ajudar na luta contra o mecanismo do mundo real

São Paulo – A polêmica envolvendo a série “O Mecanismo”, criada pelo cineasta José Padilha e transmitida pela Netflix, ganhou mais um capítulo neste domingo.

A série tem recebido críticas desde seu lançamento, em especial de vozes ligadas ao PT e outros partidos de esquerda, dentre elas a ex-presidente Dilma Rousseff.

Neste domingo, Padilha publicou um artigo no jornal Folha de S.Paulo falando sobre o tema. “O mecanismo não tem ideologia; ele opera nos governos de esquerda e de direita”, defende o cineasta. E completa: “Se a nova lei de delações premiadas tivesse sido sancionada com o PSDB no poder, os políticos denunciados teriam sido Aécio, Serra e FHC. Mas, como a lei foi sancionda com PT e PMDB no poder, os políticos denunciados foram Palocci, Lula, Cunha, Cabral e Temer”.

Sendo assim, na visão do diretor, os formadores de opinião de esquerda deveriam “(…) acordar do estupor ideológico e ajudar pessoas de bem na luta contra o mecanismo que opera no mundo real, em vez de se associar a ele para lutar contra o mecanismo exposto na Netflix”.

Um dos motivos de críticas é o fato de a produção ter atribuído uma fala (“estancar a sangria”) ao personagem que representa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Fora da ficção, a frase foi dita pelo senador Romero Jucá (MDB-RR) em uma conversa com o ex-senador e ex-presidente da Transpetro (empresa de transporte e logística da Petrobras), Sérgio Machado. O trecho da conversa envolvendo Jucá e Machado foi divulgado em 23 de maio de 2016.

“O cineasta não usa a liberdade artística para recriar um episódio da história nacional. Ele mente, distorce e falseia. Isso é mais do que desonestidade intelectual”, escreveu a ex-presidente Dilma em seu site, acusando a série de fake news.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pablo Síndico

    O Trabalho e´bom, mas Padilha tem que descer do salto e reconhecer que fez besteira ao colocar frase de Jucá na Boca do Lula. Denuncia a corrupção com maestria, mas erra ao preservar (ainda que sem intenção, ao menos é o que diz) . Deixa explícito apenas a corrupção do PT e omite os demais.

  2. Não assisti ao “documentário” e não conheço ninguém que assistiu. Mas a série da Netflix, “O Mecanismo” é excelente, mostra as entranhas da corrupção, que sempre existiu, mas que Lula abriu as portas, sem dó nem piedade do povo trabalhador e honesto do Brasil. Aliás, não vejo a hora de assistir as próximas temporadas, porque assunto e causa os corruptos proporcionam a toneladas.

  3. “dentre elas a ex-presidente”. Como se a crítica de uma pessoa que não sabe se preparar para fazer um discurso fosse relevante.

  4. PSDB direita? Desde quando? Fundador do foro de São Paulo é o Fernando Henrique Cardoso em 1990. Só existe esquerda no Brasil. Uma radical PT, PCdoB, PSOL, PMDB ou MDP(mudam de nome mas não mudam as tralhas). Único político liberal conservador (direita) de expressão do Brasil é Jair Bolsonaro. Recomendo a redação e leitores o livro do Heitor de Paola (O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial)

  5. Perdão, falto a segunda esquerda. Aquela que se diz “intelectual”, as cabeças pensantes, disfarçadas de bom moços da direita. PSDB de Fernando Henrique, de Aloísio Nunes… essas raposas sugando e trabalhando junto com PT para manter “O mecanismo” funcionando.