O novo playground de Banksy

O enigmático artista inglês deixou o velho continente com um objetivo: causar polêmica em Nova York e tentar reviver a arte de rua da Big Apple

Banksy

Esqueça os museus e as galerias. Outubro de 2013 ficará marcado como o mês em que as ruas de Nova York receberam a “exposição” batizada de Better Out Than In, promovida pelo artista britânico Banksy. Com um evento por dia, ele promete tentar reviver a arte de rua da cidade.

Assim como aconteceu em toda a carreira de Banksy, ninguém sabe onde aparecerá seu próximo trabalho. É em http://www.banksy.co.uk/ que o artista divulga o bairro em que ele deixou seu último rastro. No website ele também coloca à disposição Audio Guides descrevendo suas obras (assim como existem em museus tradicionais), além de vídeos exibindo ações especiais, que não se limitam às artes nos muros – como, por exemplo, um abatedouro ambulante com bichos de pelúcia temendo por suas vidas.

No último domingo, Banksy aprontou uma de suas surpresas: montou um pequeno stand e deixou à venda diversas obras pelo preço simbólico de 60 dólares. É claro que, sem saber que se tratavam de pinturas originais, poucos deram bola. Mal sabiam que estavam comprando algo que costuma ser vendido por milhares de dólares em leilões pelo mundo. Mais tarde, foi divulgado um vídeo mostrando o fracasso de vendas, exceto por alguns felizardos que adquiriram as peças:

Nem todo mundo, porém, tem a oportunidade de ver as obras originais espalhadas por Manhattan. Ao contrário dos calmos museus, as ruas de Nova York são um cenário de guerra disputado entre grafiteiros e pichadores. Com Banksy não é diferente. Muitas de suas artes deixadas na cidade ainda neste mês já se tornaram apenas rabiscos entre os “atropelamentos” feitos por outros artistas de rua.  Um desses eventos foi filmado nesta segunda-feira (14):

//player.vimeo.com/video/76920502

Há também quem cobre caso você queira tirar uma foto…

Na última semana, Banksy deu uma entrevista exclusiva ao site Village Voice, sobre seus novos trabalhos e a cena da arte de rua em Nova York. Confira a entrevista na íntegra aqui.