Novidades do streaming e das artes plásticas para o fim de semana

A 2ª temporada de uma série de suspense na Alemanha, uma nova para fãs de gastronomia e duas mostras de fotógrafos renomados são as dicas para a folga

Dark, 2ª temporada

Ao lado de “Trapped”, uma produção islandesa, “Dark” se apresentou como uma das melhores séries de língua não-inglesa dos últimos tempos. Criada na Alemanha por Baran bo Odar e Jantje Friese, ela captura os telespectadores de imediato ao apresentar a história do sumiço de uma criança em 2019 em Winden, uma pequena cidade com longo histórico de segredos. O desaparecimento afeta diretamente quatro famílias ou, para ser mais exato, três gerações delas.

Comparada a “Stranger Things” pela atmosfera e pelos acontecimentos sobrenaturais, que incluem viagens no tempo, “Dark” terminou à beira de um apocalipse na primeira temporada. O que vem pela frente não convém revelar. Mas vale contar que os produtores anunciaram que tudo se encerra na terceira temporada, já em gravação. Onde assistir: Netflix, estreia de 21 de junho.

The Chef Show

The Chef Show The Chef Show

The Chef Show (The Chef Show/Divulgação)

Produtor executivo de franquias cinematográficas milionárias, como “Homem de Ferro” e “Vingadores”, Jon Favreau tem a comida com um de seus grandes hobbies. Produzido e protagonizado por ele, o filme “Chef”, de 2014, a respeito de um cozinheiro incensado que termina dentro de um food truck, comprova o enorme apreço dele pelo tema.

Tirado do papel pela Netflix, “The Chef Show” é mais uma saborosa incursão da Favreau pela gastronomia. Na companhia de estrelas de seu círculo como Gwyneth Paltrow, Robert Downey Jr. e Robert Rodriguez, o produtor boa-praça explora as mais diferentes culinárias.

Para quem se habituou aos insossos programas do tipo criados no Brasil é um bálsamo constatar a espontaneidade do roteiro. Um aperitivo: em um episódio, Gwyneth Paltrow é informada de que participou de “Homem Aranha”, do que ela não lembrava. Onde assistir: Netflix, estreou dia 7 de junho.

O estranho e o raro, de Mario Cravo Neto

Mario Cravo Fotografia de Mario Cravo

Fotografia de Mario Cravo (Galeria Millan/Divulgação)

Morto há uma década, o baiano Mario Cravo Neto herdou o interesse pela artes do pai, o artista Mario Cravo Júnior. Ficou mais conhecido pela fotografia e pela escultura, mas também se dedicou à realização de instalações e desenhos. Como fotógrafo, foi um dos primeiros de sua geração a conquistar ampla projeção internacional, realizando inúmeras exposições em diversos países a partir da década de 1970.

Há trabalhos dele nos acervos de instituições como o Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMa, o Museu de Arte de São Paulo, o Masp, e a Coleção Patricia Phelps de Cisneros, sediada em Caracas, na Venezuela. A mostra em cartaz na Galeria Millan, em São Paulo, agrupa 52 obras como esculturas, instalações e desenhos.

Elas foram produzidas entre os anos de 1960, em Nova York, onde ele morou por alguns anos, e o início dos anos 1980, em Salvador, a cidade natal do artista. Onde: Galeria Millan – Anexo, Rua Fradique Coutinho, 1.416, Vila Madalena, São Paulo. Até 13 de julho.

Palermo, de Letizia Battaglia

Menina com o pão no bairro Kalsa Palermo (1979). de Letizia Battaglia Menina com o pão no bairro Kalsa Palermo (1979). de Letizia Battaglia

Menina com o pão no bairro Kalsa Palermo (1979). de Letizia Battaglia (IMS/Divulgação)

A mostra é composta por 58 imagens, incluindo o documentário “La Mia Battaglia”, de 2016, do cineasta siciliano Franco Maresco. Fotógrafa desde a década de 1970 e editora de fotografia do cotidiano L’Ora a partir de 1974, Letizia Battaglia sempre manteve sua câmera pronta para registrar o cotidiano de Palermo, palco de conflitos violentos em virtude da chamada “Guerra da Máfia” até os anos 1980.

Suas fotografias mais conhecidas revelam a brutalidade daquela época. Mas Battaglia, que viraria uma das fotógrafas europeias mais conhecidas de sua geração, também documentou os bairros pobres de Palermo, os movimentos políticos e o despertar de novos comportamentos sociais. Em cartaz no IMS do Rio de Janeiro até março, a mostra agora ocupa a unidade paulistana da instituição. Onde: IMS Paulista, Avenida Paulista, 2.424, São Paulo. Até 22 de setembro.