Nobel de Literatura Olga Tokarczuk teme “autocensura” na Polônia

Escritora afirmou que os autores têm medo de expressar o que realmente pensam por medo das consequências políticas que podem sofrer

A polonesa Olga Tokarczuk, Prêmio Nobel de Literatura, declarou nesta terça-feira (15), na Alemanha, que teme o desenvolvimento da “autocensura” em seu país, onde, segundo ela, há uma “guerra cultural” entre o partido nacionalista conservador PiS e a oposição.

“Não há censura oficial na literatura, mas sim um certo medo quando vejo um tipo de autocensura sendo desenvolvida na Polônia”, lamentou a escritora em coletiva de imprensa na Feira do Livro de Frankfurt (oeste).

Segundo Tokarczuk, na Polônia há “uma espécie de guerra cultural” entre o conservador e nacionalista Partido Lei e Justiça (PiS, situação) e a oposição.

“Os autores têm medo de expressar o que realmente pensam ou sentem porque temem as consequências políticas. Espero que essa evolução não continue”, acrescentou a escritora.

Na semana passada, ela avaliou que os poloneses, que foram às urnas em 13 de outubro, deveriam escolher entre “democracia e autoritarismo”.

O PiS venceu as eleições legislativas e mantém a maioria absoluta, o que lhe permite governar outros quatro anos para “continuar mudando a Polônia” e realizar um controverso programa de reformas.